Região: Filha de detento é flagrada com LSD e K4 na calcinha

A Secretaria da Administração Penitenciária (SAP) informa que, no final de semana que antecedeu o Carnaval (dias 22 e 23), agentes de segurança flagraram visitantes tentando entrar com maconha e drogas sintéticas em presídios abrangidos pela Coordenadoria da Região Noroeste (CRN). Em caso registrado na Penitenciária de Cerqueira César, filha de um detento foi descoberta com 198 micropontos de LSD e três pedaços de papel, supostamente droga sintética conhecida como k4, escondidos na calcinha. Outras três unidades prisionais também registraram apreensões de entorpecente no período de visitação.

Em todos os flagrantes, a Polícia Militar (PM) foi acionada para registrar boletim de ocorrência. Também foi aberto procedimento interno para apurar o envolvimento dos presos que receberiam os materiais ilícitos nas unidades prisionais.

Vale destacar que, mesmo com a ampla divulgação na mídia das crescentes apreensões em todo Estado de São Paulo, visitantes seguem tentando burlar as revistas, sem sucesso, graças à perícia de agentes penitenciários aliada à tecnologia dos scanners corporais.

Penitenciária de Cerqueira César  

A filha de um detento foi barrada tentando entrar na Penitenciária de Cerqueira César com 198 micropontos de LSD e droga sintética conhecida como k4 escondidos em sua calcinha.

A descoberta ocorreu por volta das 9h de sábado, dia 22, durante procedimento de revista pelo escâner corporal. Os agentes desconfiaram de um volume suspeito na região íntima da visitante.

Questionada, a jovem confessou a irregularidade. Com ela, havia os micropontos de LSD e três folhas de papel amarelas com maconha sintética – tipo de droga produzida em laboratório.

A visitante relatou aos funcionários que estava em frente ao presídio, quando uma mulher desconhecida ofereceu R$ 1 mil para que ela entrasse na unidade com as drogas.

A jovem foi encaminhada à delegacia para prestar depoimento. Ela responderá a ocorrência em liberdade.  

Centro de Detenção Provisória de Itatinga

Uma mulher foi flagrada tentando entrar no Centro de Detenção Provisória (CDP) de Itatinga com 145 gramas de maconha escondidas em sua vagina, durante procedimento de revista pelo escâner corporal.  

A descoberta ocorreu por volta das 9h25 de domingo, dia 23. Os agentes desconfiaram de volume suspeito na parte íntima da visitante, que negou, por três vezes, qualquer irregularidade.

Ela pediu para usar o banheiro e foi acompanhada por uma agente feminina. A funcionária observou que havia sangue junto com a urina, indicando alguma lesão no canal urinário ou no órgão genital.

Questionada novamente, a mulher confessou a irregularidade. Alegou que “comprou fiado” a droga, pelo preço de R$ 350,00.

Disse, ainda, que pretendia fazer um surpresa para o companheiro preso levando o entorpecente para ele, porém, relatou que a finalidade era comercializá-lo dentro do presídio.

A visitante foi levada à delegacia da cidade e presa em flagrante.

Penitenciária de Franca

A irmã de um detento foi surpreendida tentando entrar na Penitenciária de Franca com uma porção de maconha escondida em seu ânus, durante procedimento de revista pelo escâner corporal.

A descoberta ocorreu por volta das 11h30 de domingo, dia 23, quando os agentes de segurança desconfiaram de volume suspeito na região íntima da visitante.

Questionada, ela negou qualquer irregularidade. Diante dos fatos, a mulher foi informada que seria levada ao hospital para exames.

Enquanto aguardava a chegada da Polícia Militar, tentou se livrar da droga, tirando de sua genitália e escondendo sob o sutiã. Entretanto, teve a ação flagrada pelos servidores.

A mulher foi levada à delegacia para o registro de um boletim de ocorrência. Ela responderá em liberdade.

Penitenciária II de Serra Azul

A esposa de um detento foi surpreendida tentando entrar na Penitenciária II de Serra Azul com 200 gramas de maconha, durante revista pelo escâner corporal, na manhã de domingo, dia 23.  

A droga foi encontrada dentro de duas embalagens plásticas, escondidas no meio das roupas que ela levaria para o marido preso.

Questionada, a mulher disse que pretendia entregar o entorpecente ao marido, para ser comercializado dentro da unidade prisional.

A visitante foi levada à delegacia da cidade para o registro de um boletim de ocorrência.

Nos quatro casos registrados no final de semana, as unidades prisionais também instauraram Procedimento Disciplinar para apurar a cumplicidade dos presos que receberiam as drogas.  

A SAP informa que pessoas flagradas tentando entrar com objetos ilícitos em presídios são automaticamente suspensas do rol de visitas.

Fonte: Assessoria