Laudo aponta que mulher achada morta em Itapetininga teve traumatismo craniano por pedrada

A mulher de 47 anos que foi achada morta seminua depois de desaparecer ao sair com o veículo da empresa onde trabalhava, em Itapetininga (SP), teve traumatismo cranioencefálico, de acordo com a Polícia Civil.

Leia Mais:

Polícia prende suspeito de roubar e matar mulher que sumiu após sair com carro da empresa em Itapetininga

Moradores de Itapetininga fazem passeata para homenagear vítima assassinada e pedir fim da violência contra mulheres

Mulher achada morta e seminua após desaparecer é enterrada em Itapetininga

Mulher que desapareceu após sair com veículo de empresa é achada morta seminua e com hematomas no rosto, no interior de SP

O delegado Agnaldo Nogueira informou nesta sexta-feira (26) que o laudo necroscópico comprovou que Susana Dias Batista foi morta por causa das pedradas na cabeça. O documento foi entregue na terça (23) à Polícia Civil.

“Ainda estamos aguardando o lado do local e um laudo complementar do exame necroscópico para confirmar ou não a conjunção carnal. O estupro já está comprovado pelo ato libidinoso, pelo fato do homem ter pedido para ela tirar a roupa. A conjunção carnal é só uma comprovação a mais para juntar aos autos, e a nossa suspeita é de que ocorreu”, explica o delegado.

Raimundo Pessoa, suspeito de matar Susana Batista, na delegacia após ser preso por homicídio em Itapetininga — Foto: Polícia Civil/Divulgação
Raimundo Pessoa, suspeito de matar Susana Batista, na delegacia após ser preso por homicídio em Itapetininga (Foto: Polícia Civil/Divulgação)

Raimundo Nonato da Silva Pessoa foi apontado como o suspeito de matar Susana após ser identificado por imagens de câmeras de segurança. Ele foi preso na noite de domingo (21), três dias depois que o corpo da vítima foi encontrado, por latrocínio e estupro.

Segundo a Polícia Civil, o suspeito contou que abordou a vítima para praticar um roubo e exigiu que ela entregasse dinheiro, sob ameaça verbal. Raimundo também disse aos policiais que obrigou Susana a dirigir a picape até a Rodovia Vereador Humberto Pellegrini (SP-268), entre Itapetininga e Alambari.

Ainda de acordo com o relato do suspeito à polícia, no local, ele mandou a vítima parar no acostamento, entrar na mata e se despir para que ele pudesse revistá-la e ver se ela não tinha dinheiro. Ele nega que tenha estuprado a vítima e disse que a atingiu com uma pedrada na cabeça por ter ficado nervoso com a situação.

“Ele se apavorou no momento porque pessoas estavam passando pelo local e resolveu atingi-la com uma pedrada para fugir da cena do crime. Ela tentou dissuadir ele de cometer o crime, tentou fazer com que ele a abandonasse no local, mas ele ficou muito nervoso, segundo o relato dele, e decidiu atingi-la com uma pedra”, afirma o delegado.

Família encontra corpo de mulher desaparecida em Itapetininga — Foto: Karina Ricca/Tv Tem
Família encontra corpo de mulher desaparecida em Itapetininga (Foto: Karina Ricca/Tv Tem)

O corpo de Susana foi encontrado no dia 18 por parentes que faziam buscas às margens da rodovia, local onde a família rastreou o celular dela. A polícia informou que Susana estava seminua, com vários hematomas no rosto e um ferimento profundo na parte de trás da cabeça.

Durante a ação, Raimundo ainda roubou o celular da vítima. A polícia informou que ele é casado, tem três filhos e não tinha antecedentes criminais. Ele deixou o Maranhão para trabalhar na construção civil no interior de São Paulo e estava em Itapetininga há um ano e meio.

Fonte: G1