Máscaras contra covid serão obrigatórias até 31 de dezembro, no estado de SP

As máscaras contra covid serão obrigatorias em no estado de São Paulo até, pelo menos, 31 de dezembro. A informação foi confirmada pelo governador João Doria (PSDB) durante coletiva de imprensa na sede do Instituto Butantan para a entrega de mais 2 milhões de doses da CoronaVac ao Programa Nacional de Imunização.

“Até 31 de dezembro o uso de máscaras será obrigatório mediante lei e os que não obedecerem sejam passíveis de multa, inclusive os estabelecimentos comerciais que aceitarem clientes ou permitirem que funcionários não usem máscaras serão passíveis de multa. Em dezembro, vamos avaliar a necessidade de expandir para janeiro”, afirmou Doria.

O secretário estadual de saúde, Jean Gorinchteyn, afirmou que o estado continua registrando quedas no número de casos, internações e mortes por covid-19. “Estamos tendo diminuição nas taxas de mortes, casos e internações na faixa de 8% semanalmente”, disse. 

Segundo o secretário, a taxa de ocupação de leitos de UTI no estado é de 42% e 41% no interior. “Estamos de alguma forma controlados. Existe uma diferença no processo de vacinação e a obrigatoriedade do uso de máscara. Isso acaba sendo um fator limitante de uma expansão ainda mais intensa. Sem o uso das máscaras significaria que teríamos muito mais casos. Mas precisamos dar celeridade ao processo de vacinação para controlar a pandemia e a variante delta”, alertou.

Apesar das flexibilizações do Plano São Paulo, as máscaras continuam obrigatórias no estado. O Centro de Contingência do Coronavírus de São Paulo defendeu, na coletiva de quarta-feira (11), a continuidade do uso de máscaras como equipamento de proteção contra a disseminação da covid-19. O posicionamento do órgão rebateu a sinalização do ministro da saúde, Marcelo Queiroga, que sinalizou no mesmo dia o abandono da proteção facial.

O coordenador do centro, João Gabbardo, afirmou que o estado vai manter as flexibilizações e as possibilidades de retroceder diante das regras criadas são remotas. “A posição do centro de contingência é manter essa segurança. Não é o momento de se falar em dispensar o uso máscara”, disse ele. “Devemos evitar qualquer tipo de aglomeraçaõ, dessa maneira e com a imunização continuaremos sem a necessidade de dar passos para trás. Isso deve ser mantido para que São Paulo não repita o que outros países fizeram e tiveram que retroceder.”

Fonte: R7

Scroll Up