Homem é condenado a 32 anos de prisão por curtir e compartilhar publicação no Facebook

Um homem de Samut Prakan, uma das províncias centrais da Tailândia foi indiciado a cumprir 32 anos de prisão. Se a liberdade é algo intrínseco às redes sociais, no caso deste país asiático parece que o rei está completamente de olho em todas as ações dos usuários de lá.

Os líderes do país, que ainda vive sob regime monárquico, declararam que iriam utilizar a terra de um resort que havia sido fechado para a criação de um parque que teria como objetivo central a “adoração” ao regime do rei, além de prever a construção de estátuas de bronze com todo os monarcas anteriores. Grupos que agem pacificamente contra tal regime utilizam muitas vezes as redes sociais como uma das formas de militância.

Rei da Tailândia (Reprodução)
Rei da Tailândia (Reprodução)

Dentro deste contexto opressor que o operário Thanakorn Siripaiboon foi tido como culpado, já que curtiu e compartilhou um infográfico que continha tanto críticas à monarquia quanto esclarecimentos à respeito da construção do parque. De acordo com a AFP, as interações teriam sido realizadas no dia 2 de dezembro e, de acordo com a lei tailandesa, qualquer um que insultar o rei ou qualquer integrante da família real deverá ficar, no mínimo, quinze anos na prisão.

Siripaboon pertencia a um grupo online que se opõe à monarquia e foi preso em sua própria casa depois de assumir o crime, já que caso não o fizesse, sua pena poderia ser agravada. Um mês atrás uma situação bastante semelhante aconteceu, quando uma tailandesa se rendeu às autoridades legais também por ter compartilhado o infográfico a respeito do escândalo do parque.

Fonte: Yahoo!

Scroll Up