França usa cães para detectar coronavírus na transpiração humana

AdSense Postagem 01

Postagem Única 01 Mobile

Eliot é treinado para encontrar o rastro de criminosos e pessoas desaparecidas, mas há um mês, esse pastor belga está treinando para detectar o coronavírus no suor humano em um programa desenvolvido no sudoeste da França.

Pretende-se dar uma “solução complementar” em um momento em que “é necessária uma oferta ampliada, rápida e não invasiva de detecção”, destaca Thierry Pistone, infectologista do Centro Hospitalar Universitário (CHU) de Bordeaux, que aderiu ao 5º. veterinário de laboratório mundial (Ceva Santé animale) neste projeto apresentado à imprensa na sexta-feira.

Como Eliot, o Labrador Marvel e três outros pastores belgas e alemães, todos membros das brigadas caninas da polícia militar e dos bombeiros, treinam em seu novo “jogo” de farejar por 10 minutos o suor das axilas de pessoas no início da infeção por covid-19.

Assim, desde 4 de Janeiro, chegam quase todos os dias amostras de suor do CHU para os cães, treinados em Libourne.

“Eles detectam matéria orgânica de degradação derivada da infecção”, explica Pierre-Marie Borne, referência da Ceva.

Depois de Eskiss, especialista na detecção de “narcóticos”, armas e munições, o pastor belga Eliot coloca o focinho em uma fileira de cones de metal.

De repente, ele está na frente de dois desses funis, acenando com o rabo. Dentro, há duas amostras diferentes de suor retiradas de pacientes com covid.

“Muito bom”, o mestre o parabeniza antes de lhe dar como recompensa um petisco e o seu brinquedo preferido.

Até poucos dias atrás, esse cachorro da gendarmaria estava seguindo os rastros de um desaparecido.

França usa cães para detectar coronavírus na transpiração humana (Fotos: Reprodução)

Podem detectar 95% dos casos

Batizado de Cynocov, este projeto se baseia no método Nosais covid-19, desenvolvido pelo professor Dominique Grandjean da Escola Nacional de Veterinária Maisons-Alfort (próximo a Paris) e que vem enriquecer a imensa “biblioteca olfativa” do cão, desde então utilizada para a detecção de certos tipos de câncer.

“Os cães podem detectar 95% dos casos positivos de covid-19 em média”, diz o professor Grandjean.

O método está sendo testado na Córsega, ilha francesa do Mediterrâneo, e de acordo com os responsáveis pelo projeto, “40 países estão trabalhando no assunto”.

Após seis a oito semanas de treinamento, em uma média de quatro manhãs por semana, a aptidão dos cães deve ser demonstrada em um teste clínico no hospital antes de uma possível implantação da ferramenta.

O objetivo é testar seu desempenho em diferentes tipos de amostras, que se referem a diferentes áreas da doença, seja a capacidade de detectar formas graves ou não graves, contagiosas ou menos contagiosas, sintomáticas ou assintomáticas, mas também infectadas com uma variante.

Em caso de sucesso, “a ferramenta será utilizada principalmente para fazer uma pré-seleção” de pessoas suspeitas, a fim de “especificar a necessidade de um teste confirmatório” (como o RT-PCR nasofaríngeo), explica Dr. Pierre-Marie Terminal.

“Quando se sabe que em breve terão de ser detectadas pessoas assintomáticas em todos os tipos de espaços – escolas, lares de idosos ou aeroportos – este tipo de ferramenta (…) vai facilitar o processo ”, avalia Denis Malvy, chefe do serviço de doenças infecciosas e tropicais do CHU Bordeaux.

Para o professor, também membro do conselho científico, esses cães são “quase nossos aliados na produção de uma ferramenta de detecção que terá”, ele espera, “seu espaço na necessidade de manejar essa emergência sanitária”.

Fonte: Yahoo!

Postagem Única 02 Mobile

Anunciantes