Centenas protestam no Haiti contra onda de sequestros

AdSense Postagem 01

Postagem Única 01 Mobile

Centenas de pessoas foram às ruas em Porto Príncipe nesta quinta-feira (10), Dia Internacional dos Direitos Humanos, para protestar contra o aumento de sequestros por gangues no Haiti. Os manifestantes suspeitam que haja ligação entre os sequestradores e o governo.

“Em 2020, o fato de termos que protestar para exigir nosso direito de viver, de viver decentemente, é doloroso”, disse Vélina Charlier à AFP no início do evento.

Manifestantes protestam em Porto Príncipe nesta quinta (10) contra onda de sequestros no Haiti — Foto: Valerie Baeriswyl/AFP
Manifestantes protestam em Porto Príncipe nesta quinta (10) contra onda de sequestros no Haiti (Fotos: Reprodução)

“Há anos que dizemos que estamos no caminho da ditadura e que a forma como este governo instaura o regime de terror é aliando-se a bandidos: é o que está acontecendo”, acrescentou o ativista do movimento anticorrupção Nou Pap Domi.

Médicos, camelôs, músicos, estudantes e gente de diversas profissões e classes socioeconômicas foram vítimas dos sequestros. As ações criminosas são feitas por gangues armadas, que prevalecem principalmente na capital, mas também nas cidades do interior.

“Hoje, as pessoas têm medo de sair às ruas. As gangues nos tiraram o país, não podemos mais nos mover livremente: é terror em toda parte”, disse Fabienne Anty, uma ativista feminista que participou da marcha pacífica em Porto Príncipe.

Atos também contra o governo

Protesto em Porto Príncipe, no Haiti, nesta quinta (10) — Foto: Valerie Baeriswyl/AFP
Protesto em Porto Príncipe, no Haiti, nesta quinta (10) (Foto: Reprodução)

Os opositores do presidente Jovenel Moisés barricaram pneus em chamas enquanto gritavam, ironizando: “Aqui estamos nós, os terroristas.”

O gesto é uma reação direta a um dos muitos decretos recentemente assinados pelo presidente, omnipotente desde que o Parlamento foi destituído em janeiro de 2020.

O texto reclassifica diversos crimes e contravenções como atos terroristas, como, por exemplo, reduzir a liberdade de circulação nas vias públicas, com pena de 30 a 50 anos de reclusão e multa de 2 milhões a 200 milhões de gourdes (ou seja, a até mais de R$ 14 milhões).

“Parece que o presidente e sua equipe estão armados com instrumentos pseudo-legais para suprimir manifestações antigovernamentais”, disse Marie-Rosy Auguste Ducena, da rede nacional de direitos humanos.

Fonte: Yahoo!

Postagem Única 02 Mobile

Anunciantes