Artigo: Fernando Cury e a última pá de terra jogada sobre o caixão – por Sandro Dálio

Lembram do Fernando Capez? O cara conseguiu absolvição no STF contra as denúncias por receber grana da verba das merendas de escolas da rede pública de ensino do Estado de São Paulo. Mesmo assim, “si fud**”.

Ou seja, para a maioria, o ex-Deputado, hoje Presidente do Procon, surrupiou a comida da boca das crianças. Logo, não merecia se eleger Deputado Federal. Sua votação caiu de maneira avassaladora. Até hoje é chamado de ‘Deputado da merenda’.

Não estou afirmando que Fernando Cury é inocente, pois ele não é. O vídeo exibido em redes sociais, onde ele, nitidamente, “chega por trás” e apalpa a Deputada Isa Penna é digno de nojo e pena, ao mesmo tempo.

Nojo, porque, segundo a Deputada, Cury “fedia” a uísque. Ou seja, o cara possivelmente estava embriagado dentro da Assembleia Legislativa, um local onde se votam leis. Pois é, na merda da ALESP bebe-se muito uísque antes de discutir leis que irão reger nossas vidas. Além dos salários astronômicos, pagamos uísque para nossos parlamentares.

No entanto, existe um nojo ainda maior. Ao beber uísque, Fernando Cury se coloca num estado de dominância total. Como a maioria na ALESP é de homens, o macho sedento se põe no direito de “encoxar” a Deputada e levar a mão direita a um de seus seios. É nítida a imagem, não há o que arranjar de desculpa. Todas as tentativas serão levianas e tentarão subestimar a inteligência do eleitor. Sim, porque nessas horas tudo o que interessa serão os eleitores.

E pena, porque um cara como Fernando Cury, pelo carisma que tinha e pelo posto a que alcançou, não precisava disso. Uma demonstração de despreparo total. E não só na vida pública, mas também relacionada à sua família, que é linda, diga-se de passagem. São vários desrespeitos, mas, o principal, com certeza, além do constrangimento e da invasão à Deputada, é o desrespeito próprio.

Ao bolinar a Deputada, Fernando Cury joga na privada todos os seus sonhos políticos, todos os seus relacionamentos, todos os seus apoiadores e tudo aquilo que o colocava como “gente boa”, afinal, se faz isso em público, sabedor que era das câmeras instaladas no recinto, o que diremos se estivesse a sós com a Deputada e com uns “uísques pra cabeça”?

Eu não vou me colocar aqui como um juiz da causa. Jamais. Já cantei mulheres que me deram o fora. Tive tentativas frustradas através de textos. Mas apalpar, encoxar, bolinar, nunca. “Cantar” uma mulher é uma coisa. Você pode ter um sim ou um não, e caso encha o saco, pode-se bloquear e “zéfini”. Agora, agir dessa maneira como o vídeo mostra, é ter certeza de que a situação está no controle… quando na verdade, não está. É invadir o outro, é se permitir pensar que pode tudo, que se está acima da lei.

E, Fernando, você não está acima da lei. Nem mesmo daquela que você ajudou a provar.

O Cidadania, partido do Deputado, abriu uma sindicância para apurar os fatos. A Deputada Isa vai denunciar ao Conselho de Ética e Decoro Parlamentar da Assembleia Legislativa do Estado de São Paulo (Alesp) por assédio. E daí podem vir muitas outras questões. Afinal, como se diz popularmente: “uma cerveja puxa outra”. Aguardemos.

* Sandro Dálio é jornalista e radialista

* Os artigos publicados não refletem, necessariamente, a opinião do Jornal Leia Notícias

Scroll Up