Talibã confirma que mulheres poderão estudar em universidades, mas separadas dos homens

O Talibã permitirá que as mulheres estudem na universidade, desde que o façam separadamente dos homens, confirmou, neste domingo (12), o ministro do Ensino Superior do novo regime afegão.

“Nossos combatentes assumiram suas responsabilidades” ao reconquistar o poder, disse o ministro Abdul Baqui Haqqani, em um coletiva de imprensa na capital do Afeganistão, Cabul, na qual destacou a importância do sistema universitário.

O Ocidente acusa o regime Talibã de querer negligenciar a educação.

“A partir de agora, a responsabilidade pela reconstrução do país cabe às universidades. E estamos esperançosos, porque o número de universidades aumentou consideravelmente”, em comparação com a época do primeiro regime talibã (1996-2001), disse ele.

Abdul Baqi Haqqani, ministro de Ensino Superior do novo governo do Talibã, fala em uma conferência de imprensa, em Cabul — Foto: Aarmi Qureshi/AFP
Abdul Baqi Haqqani, ministro de Ensino Superior do novo governo do Talibã, fala em uma conferência de imprensa, em Cabul (Foto: Reprodução)

“Isso nos deixa otimistas para o futuro, para construir um Afeganistão próspero e autônomo. Devemos fazer bom uso dessas universidades”, acrescentou o ministro.

Classes mistas proibidas

Ele também confirmou que o governo vai proibir as aulas mistas nas universidades, que eram permitidas pelo governo anterior – deposto em meados de agosto.

“Isso não representa nenhum problema para nós. São muçulmanos e vão aceitar isso. Decidimos separar (homens e mulheres) porque as classes mistas são contrárias aos princípios do Islã e às nossas tradições”, afirmou o ministro.

Segundo ele, a educação mista foi imposta pelo governo pró-Ocidente dos últimos 20 anos, apesar do fato das universidades solicitarem aulas separadas para mulheres e homens.

O novo governo Talibã anunciou na semana passada que permitiria que as mulheres estudassem na universidade, sob condições estritas: usar véu completo e em aulas separadas dos homens ou divididas por uma cortina se houver poucas meninas.

Durante ato pró-talibã, em frente à Universidade Shaheed Rabbani, em Cabul, mulheres seguram cartazes e faixas – "nós não queremos coeducação", diz um deles. — Foto: Aamir Qureshi
Durante ato pró-talibã, em frente à Universidade Shaheed Rabbani, em Cabul, mulheres seguram cartazes e faixas – “nós não queremos coeducação”, diz um deles. (Foto: Reprodução)

O anúncio preocupa algumas universidades, que afirmam não ter meios materiais e financeiros para se adequar à separação por sexo e que isso pode estimular os alunos (frequentadores de turmas mistas) a deixar o país para estudar no exterior.

Também preocupa a Unesco, que estimou na sexta-feira (10) que o “imenso” progresso feito desde 2001 na educação no Afeganistão está em “perigo” com os talibãs e alertou para os riscos de uma “catástrofe geracional” que poderia afetar o desenvolvimento do país “por anos”.

No sábado, porém, centenas de afegãs vestidas com o véu integral manifestaram apoio ao Talibã em uma universidade de Cabul.

Durante os anos em que esteve no poder (1996-2001), o Talibã suprimiu os direitos das mulheres afegãs e restringiu suas liberdades mais simples, como estudar, trabalhar ou sair sozinhas.

Os afegãos e a comunidade internacional esperam para ver como o novo governo definirá os padrões que afetarão as mulheres e sua vida em sociedade.

A sharia, lei islâmica, foi aplicada com muito rigor entre 1996 e 2001.

Segundo os fundamentalistas islâmicos, agora as mulheres também poderão trabalhar, mas respeitando os “princípios do Islã”, algo que pode ser interpretado de várias maneiras.

Fonte: Yahoo!

Últimas

Migrantes haitianos recuperam a esperança no México

25 set 2021

O México é uma luz no fim do túnel para os cerca de 300 migrantes haitianos...

Categorias

Scroll Up