Solda na roda se rompeu e fez carro de Cristiano Araújo capotar, diz laudo

AdSense Postagem 01

Postagem Única 01 Mobile

Laudo do Instituto de Criminalística de Goiás aponta que o carro de Cristiano Araújo capotou devido à ruptura de soldas da roda traseira situada do lado direito. Com o rompimento, elas cortaram o pneu, que saiu completamente da estrutura do automóvel. A perícia constatou que somente nessa peça, que não era original e tinha aro 22, havia dez pontos de soldagem feitas com material de má qualidade.

O acidente provocou a morte do sertanejo e da namorada dele, Allana Moraes, de 19 anos, em 24 de junho, na BR-153, em Goiás. Para a Polícia Civil, o casal morreu devido a uma série de fatores, entre eles, o problema na roda, a alta velocidade do carro e por não usar cinto de segurança.

As vítimas viajavam no veículo Range Rover Sport, ano 2015, do cantor.  Além deles, estavam no automóvel um dos produtores do sertanejo, Victor Leonardo, e o motorista, Ronaldo Miranda, que sobreviveram. Eles voltavam para Goiânia após um show em Itumbiara, no sul goiano.

De acordo com a perícia, as rodas que estavam no veículo também eram feitas do mesmo material, sendo apenas o aro diferente.

Uma das responsáveis pela análise das rodas, a perita criminal Kárita Fortes ressalta que,diferentemente do que os ocupantes do automóvel acreditavam, o pneu não estourou. Ela acredita que o barulho ouvido pelo motorista ocorreu em decorrência do “deslocamento do pneu”.

“Foi cortada toda a circunferência interna do pneu após o ‘start’ da ação perfurocortante da solda. Depois, com o anteparo do asfalto e devido ao aquecimento, ela foi cortada em toda a orla”, explicou Fortes.

As rodas originais do veículo tinham sido trocadas por outras de marca desconhecida. Adesivos com a escrita “Land Rover” foram colados sobre as peças.

De acordo com a perita, as peças adotadas pelo cantor não obedeciam às indicações da Land Rover e ainda estavam danificadas. Os laudos apontam que a roda traseira esquerda tinha cinco pontos de solda e a direita, dez.

A perícia concluiu também que o pneu rodava em baixa pressão e/ou sobrecarga, o que provocou a fragilidade da borracha. Como não era o modelo original, o bico de enchimento não comunicava com o carro, avisando que precisava de calibragem.

As rodas colocadas no carro de Cristiano eram do ex-jogador de futebol Tiago Ferreira dos Santos, de 29 anos, que as deu para o motorista do cantor. Em entrevista exclusiva ao G1 e à TV Anhanguera, ele disse na época do acidente que já havia feito reparos nas peças.

Roda e pneu, que foi cortado, do carro de Cristiano Araújo, em Goiás (Foto: Divulgação/ IC)Roda e pneu, que foi cortado, do carro de Cristiano Araújo (Foto: Divulgação/ IC)

De acordo com o delegado responsável por investigar o acidente, Fabiano Jacomelis, apesar de ser um presente para Ronaldo, o sertanejo autorizou a troca das rodas. “Assim que ele pediu para trocar, o Cristiano arcou com a despesa do pneu e tinha total ciência da troca”, disse o delegado.

Cintos de segurança
O perito criminal José Luiz de Amaral informou que todos os airbags foram acionados. Os cintos de segurança do banco traseiro estavam desafivelados e recolhidos. “Isso demostra que os passageiros  do banco traseiro não utilizavam cinto, tanto que foram arremessados, impulsionados para fora do veiculo”, explicou o especialista.

A análise também apontou que o motorista e o empresário de Cristiano usavam cinto de segurança. Por isso, Amaral acredita que, se usassem o equipamento, o cantor e a namorada poderiam ter sobrevivido.

Investigação
Após mais de dois meses de investigação, o delegado concluiu nesta quinta-feira (10) o inquérito policial sobre o acidente ocorrido na madrugada de 24 de junho, em Morrinhos, no sul goiano. O documento conta com o depoimento de dez pessoas, além de laudos periciais, como os feitos nas rodas. A análise confirmou que o casal não usava cinto de segurança.

A Polícia Civil indiciou Ronaldo Miranda pelo crime de duplo homicídio culposo – quando não há a intenção de matar – na direção de veículo automotor. Para o delegado, o motorista foi negligente e imprudente.

“Houve o crime de trânsito, ele agiu com negligência no momento que transitou com as rodas não originais, com danos, e imprudente por dirigir em excesso de velocidade”, disse. No entanto, para Jacomelis, Ronaldo não imaginou que um acidente poderia ocorrer.

O delegado não pediu a prisão de Ronaldo, pois ele respondeu a todos os atos do inquérito policial. Se condenado, o motorista pode pegar de dois a quatro anos de prisão.

Advogado que defente o motorista, Djalma Pereira Rezende disse que vai esperar a posição do Ministério Público Estadual para se pronunciar sobre o caso.

Perícia comprova que cintos estavam recolhidos e desafivelados no carro de Cristiano Araújo, Goiás (Foto: Divulgação/ IC)Perícia comprova que cintos estavam recolhidos e desafivelados (Foto: Divulgação/ IC)
Fonte: G1

Postagem Única 02 Mobile

Anunciantes