Restrições mais duras se espalham pelo estado de São Paulo

AdSense Postagem 01

Postagem Única 01 Mobile

Mirando no exemplo de Araraquara, no interior, que chegou ao colapso no sistema de saúde com a explosão dos casos de covid-19, e que viu a curvar baixar depois de fazer lockdown, dezenas de prefeituras estão adotando medidas mais rígidas do que as definidas pelo governo estadual na fase emergencial para tentar conter o avanço da pandemia.

Em 16 de fevereiro, o prefeito de Araraquara, Edinho Silva (PT), escreveu nas redes sociais que não havia mais nenhum leito disponível, diante do aumento das contaminações, provocado pelas novas variantes. Em resposta, a cidade adotou um rigoroso lockdown, que vigorou entre 21 de fevereiro e 2 de março.

Neste fim de semana, um mês depois do confinamento, Edinho voltou às redes sociais e apresentou dados animadores. Houve queda de 50% na média móvel diária de novos casos (de 189 para 94) e redução de 31% no número de pacientes internados (de 247, no auge, para os atuais 169).

De olho nesse desempenho – e enquanto esperam por restrições mais rígidas vindas do governo do estado –, pelo menos outras 30 cidades já anunciaram um aperto maior na quarentena.

Os municípios estão tornando mais rígido o toque de recolher, restringindo o funcionamento dos serviços essenciais e até mesmo suspendendo a venda de bebidas alcoólicas e a locação de imóveis, tudo para ampliar o distanciamento.

Porém a medida mais restritiva ainda é o lockdown, que já foi adotado em Ribeirão Preto, ainda está em vigor em São José do Rio Preto e que será aplicado a partir de hoje também pelas nove cidades da Baixada Santista.

O pedido é para que as pessoas só saiam para trabalhar ou em caso de emergência. As prefeituras do litoral, que vão reduzir o horário de funcionamento dos ônibus e fechar mais cedo os serviços essenciais, mandaram também um recado para os turistas da capital: “não venham”. Isso porque a cidade de São Paulo também adotou medidas adicionais à fase emergencial, como rodízio de veículos noturno e o megaferiado de 10 dias – que começa nesta sexta-feira e vai até o dia 4 de abril, sem nenhum dia útil, para que as pessoas fiquem em casa.

Lockdown estadual

Diversas prefeituras e especialistas têm defendido a necessidade de aperto nas restrições pelo governo, como um lockdown estadual.

Vice-governador, Rodrigo Garcia (DEM) afirmou que o Palácio dos Bandeirantes ainda está avaliando os resultados dessa primeira semana dentro da fase emergencial e que novas medidas restritivas poderão ser adotadas, mas considerou que as regras em vigor “já são equivalentes a um lockdown”.

Integrante do centro de contingência, o médico José Medina disse que não é possível estabelecer lockdown em todo o estado. “São Paulo tem mais de mil entradas terrestres na divisa com outros estados. É muito difícil. Além do mais, isso pode provocar quebra na linha de produção de itens para serviços essenciais. Talvez, se o lockdown tiver de ser aplicado em São Paulo, terá de ser localizado, como fez Araraquara – com as suas consequências e, em algumas vezes, até com instabilidades sociais.”

APERTANDO O CINTO

Restrições adicionais determinadas por algumas cidades que vão além das medidas da fase emergencial

ABC

Os prefeitos da região decidiram aderir ao megaferiado da capital, com um dia a menos. Entre 27 de março e 4 abril, o serviços essenciais terão de fechar às 17h (hoje podem funcionar até as 19h), o transporte público ficará mais restritito e a venda de bebidas alcoólicas, proibida.

Araçatuba

Mandou fechar as praças e outros espaços públicos abertos para evitar a reunião de pessoas. Em outra cidade, Franco da Rocha, a prefeitura mandou fechar uma praça onde havia registro de constantes aglomerações

Baixada Santista

A suspensão da operação descida pelo sistema Anchieta-Imigrantes, por ordem do governo do estado, deve reduzir o número de turistas, mesmo que as praias estejam bloqueadas. Ainda assim, as prefeituras do litoral sul decidiram ir além e determinaram um lockdown a partir de hoje, que vai durar 13 dias. As pessoas só poderão sair de casa para trabalhar ou em alguma emergência. O transporte público vai funcionar em horário reduzido e não rodará no fim de semana. Os hotéis devem receber só hóspedes corporativos. Os supermercados, só poderão operar até as 20h – e, nos fins de semana, só por delivery. Quem descumprir as regras poderá ser punido. Em Santos, as multas variam de R$ 300 a R$ 10 mil.

Campinas

A cidade vai punir até as reuniões familiares e promete multar em R$ 3,5 mil os responsáveis por encontros que reúnam mais de 10 pessoas. A prefeitura também determinou que parte dos serviços essenciais, como supermercados, só pode funcionar até as 20h, mesmo horário em que o delivery deve ser encerrado, para qualquer atividade. Todas as 20 cidades da Região Metropolitana de Campinas aderiram ao toque de recolher mais rígido, que prevê a abordagem de pessoas nas ruas depois das 20h.

São José do Rio Preto

A cidade ficará em lockdown até 31 de março. Na primeira etapa, que acabou domingo, o transporte público deixou de operar e a maior parte dos serviços essenciais só funcionou por delivery. Na segunda etapa, a prefeitura prevê flexibilizar as atividades aos poucos. Ribeirão Preto encerrou seu lockdown no último domingo.

Socorro

Estância hidromineral, a cidade vetou o aluguel de espaços como chácaras e sítios para a realização de eventos.

Tupã

Suspendeu a venda de bebidas alcoólicas por dois fins de semana e proibiu a presença de crianças menores de 12 anos em espaços comerciais e de serviços.

Fonte: Jornal Metro

Postagem Única 02 Mobile

Anunciantes