Polícia de Nova York divulga imagens de homem que alugou van e que pode ter ligação com ataque no metrô

A polícia de Nova York divulgou imagens de uma pessoa procurada por estar relacionada ao ataque no metrô na manhã desta terça-feira (12).

Frank James, de 62 anos, é tratado pela polícia americana como “pessoa de interesse” e não foi informado se se trata do suspeito de praticar o ataque ou outra pessoa relacionada ao caso.

James teria sido identificado pelas autoridades após encontrarem, no local do crime, as chaves de uma van que ele teria alugado em um popular serviço de aluguel de carros.

As autoridades oferecem uma recompensa de US$ 50 mil (cerca de R$ 234 mil) para quem tiver informações sobre seu paradeiro.

Imagem de Frank James divulgada pela polícia de Nova York  — Foto: Twitter/NYPD
Imagem de Frank James divulgada pela polícia de Nova York (Foto: Twitter/NYPD)

Mais cedo, uma arma e uma bolsa com fogos de artifício foram encontradas pela polícia na estação de metrô onde um homem disparou contra passageiros.

Autoridades de Nova York afirmaram, em entrevista coletiva, que o revólver encontrado teria efetuado ao menos 30 disparos. Uma segunda pistola também foi apreendida pelos agentes.

Segundo fontes da emissora NBC, a arma usada no incidente teria travado, o que teria evitado ainda mais danos.

Há 23 feridos (10 baleados), segundo a comissária da polícia de Nova York, Keechant Sewell. As autoridades ainda buscam pelo homem suspeito de ser o atirador.

O caso, que não está sendo investigado como terrorismo, pode ter deixado ainda mais feridos. Com base em consultas a hospitais da região, o jornal “The Washington Post” e a rede americana CNN reportaram ao menos 29 pessoas que foram atendidas em hospitais com alguma ligação com o caso.

Bolsa com fogos de artifício e bomba de fumaça foi encontrada no local do tiroteio em Nova York em 12 de abril de 2022 — Foto: Reprodução/WCBN via NBC
Bolsa com fogos de artifício e bomba de fumaça foi encontrada no local do tiroteio em Nova York em 12 de abril de 2022 (Foto: Reprodução)

O presidente americano, Joe Biden, agradeceu em entrevista aos serviços de emergência “que correram para agir”.

“Meu time está em contato com o prefeito e o Departamento de Justiça está trabalhando com o FBI junto da polícia de Nova York no terreno”, afirmou. “Não vamos desistir até descobrirmos e encontrarmos o criminoso.”

Imagem mostra pessoas dentro do metrô de Nova York após tiros — Foto: Reprodução/NY Post
Imagem mostra pessoas dentro do metrô de Nova York após tiros (Foto: Reprodução)

O prefeito de Nova York, Eric Adams, disse em um pronunciamento transmitido pela internet – uma vez que está trabalhando de maneira remota após ser diagnosticado com Covid-19 – que seu gabinete apoia as investigações. Ele agradeceu aos socorristas que responderam rapidamente ao ataque.

“Não vamos deixar que os nova-iorquinos sejam afugentados pelo terror, e pedimos que qualquer pessoa que tenha informações que podem levar à prisão do suspeito, que falem às autoridades”, disse Adams.

Em entrevista à emissora local de rádio WCBS, o prefeito teria afirmado que as câmeras do circuito de vigilância da estação de metrô estariam quebradas e não conseguiram registrar o incidente.

A polícia está procurando um homem que trajava uma máscara de gás e um colete verde de construção e é suspeito de ser o atirador.

Policial caminha entre carros em estação de metrô do Brooklyn, onde dezenas foram baleados, segundo Corpo de Bombeiros da cidade.  — Foto: Brendan McDermid/Reuters
Policial caminha entre carros em estação de metrô do Brooklyn, onde dezenas foram baleados, segundo Corpo de Bombeiros da cidade. (Foto: Reprodução)

De acordo com relatos, tiros foram ouvidos por volta das 8h30 no horário local dentro da estação, que fica na rua 36 e por onde passam três linhas de metrô D, N e R.

Houve também relatos de bombas dentro da estação, mas o Departamento de Polícia de Nova York afirmou, pelas redes sociais, que já fez uma varredura e não há explosivos ativos no local.

‘Muita fumaça e sangue’

O morador da cidade Sam Carcamo contou à Associated Press que viu muita fumaça ao chegar na estação.

“A porta do meu vagão abriu no meio da calamidade. Era muita fumaça e sangue, e pessoas gritando”, relatou.

Um passageiro do metrô que estava em outra plataforma da estação logo depois relatou à rede CNN Internacional que viu muitas pessoas no chão e sangrando quando passou pelo local.

Fonte: G1