Polícia apura morte de assessor na fazenda de Leonardo em Goiás

AdSense Postagem 01

Postagem Única 01 Mobile

A Polícia Civil de Goiás começou a investigar a morte de Nilton Rodrigues da Silva, conhecido como “Passim”, que era assessor e amigo do cantor Leonardo. Segundo a corporação, tudo indica que a vítima, de 60 anos, morreu após ser atingida por dois tiros acidentais enquanto estava na fazenda do artista, que fica em Jussara, no oeste do estado.

Passim morreu na madrugada de quinta-feira (4). De acordo com o delegado Kléber Toledo, responsável pela investigação, o assessor estava com uma arma, a qual disparou acidentalmente e atingiu a mão dele. Em seguida, conforme a corporação, outro tiro atingiu a perna esquerda dele.

A Polícia Civil também informou que, a princípio, Passim estava sozinho numa suíte no momento do acidente e foi a um banheiro para tentar estancar o sangramento, mas não resistiu à hemorragia e morreu dentro do cômodo.

A corporação estima que os tiros foram disparados por volta de 2h, mas o corpo da vítima foi encontrado às 12h30. Segundo o investigador, inicialmente, o fato havia sido noticiado como possível suicídio, o que ficou afastado pelas equipes da Polícia Civil e da Polícia Técnico Científica após uma perícia inicial.

“Chegamos à conclusão preliminar que a morte, infelizmente ocorrida, decorreu de um manuseio incorreto e imprudente de arma de fogo”, afirmou o delegado.

Nilton Rodrigues, conhecido como Passim, era assessor e amigo do cantor Leonardo — Foto: Reprodução/Instagram
Nilton Rodrigues, conhecido como Passim, era assessor e amigo do cantor Leonardo (Foto: Reprodução/Instagram)

Além dele, havia mais três pessoas na fazenda, que dormiam em cômodos distantes, de acordo com as apurações. A Polícia Civil informou que conversou com as pessoas que estavam na propriedade, mas que deve ouvir todas formalmente, na delegacia, durante a investigação. Os laudos periciais também devem ser feitos e analisados.

A corporação identificou a arma como sendo uma Glock 380. A reportagem questionou a Polícia Civil, por mensagens enviadas às 10h desta sexta-feira (5), de quem era a arma e se ela estava legalizada, mas não obteve retorno até a última atualização desta matéria.

A assessoria da Polícia-Técnico Científica (PTC) informou que equipes de Perícia Criminal e de Medicina Legal fizeram a perícia no local e no corpo com o objetivo de fornecer suporte técnico-científico às investigações da polícia.

A assessoria de Leonardo já havia informado, ainda na quinta-feira, que “a morte foi acidental”.

Fonte: G1

Postagem Única 02 Mobile

Anunciantes