Parceria SAMU-192 e HCFMB aumenta em cinco vezes chances de tratamento a pacientes vítimas de AVC

O dia 29 de outubro marca, no cenário mundial, as ações de combate ao AVC (Acidente Vascular Cerebral), doença cerebrovascular que a principal causa de incapacidade no mundo e atinge mais 16 milhões de pessoas ao redor do planeta a cada ano. No Brasil, não é diferente. De acordo com a Rede Brasil AVC, a cada 5 minutos um brasileiro morre em decorrência do AVC, contabilizando mais de 100 mil mortes por ano. 
 
Mas em Botucatu este cenário tenha ganhado novos e melhores contornos. Tudo por causa da parceria afinada entre o Serviço de Atendimento Móvel de Urgência (SAMU-192) e a Unidade de AVC do Hospital das Clínicas da Faculdade de Medicina de Botucatu (HCFMB). Aliás, ambos foram inaugurados no mesmo período, em julho de 2011. A sintonia entre os serviços é tanta que já tem melhorado significativamente as chances dos pacientes terem uma recuperação adequada. 
 
Um estudo, realizado entre os anos de 2011 e 2012, constatou que vítimas de AVC que tiverem o atendimento pré-hospitalar realizado pelo SAMU-192, antes de serem encaminhadas ao Hospital das Clínicas, tiverem até cinco vezes mais chances de receber um tratamento intravenoso específico para a doença em comparação com aqueles que foram socorridos por outros meios. 
 
“Com certeza é uma parceria de sucesso. Por isso recomendamos que, quando houver suspeita de AVC, a pessoa que estiver prestando o socorro acione imediatamente o SAMU pelo telefone 192”, salienta Dr. Gabriel Braga, médico neurologista coordenador da Unidade de AVC.
 
“A terapia deve ser iniciada em até 4,5 horas do início dos sintomas. Essa é uma das razões pelo qual o AVC deve ser considerado uma prioridade médica. Por isso, quanto mais rápido e melhor for esse atendimento pré-hospitalar as chances de vida do paciente são maiores e as sequelas, menores”, complementa a Enfª Priscila Masquetto Viera de Almeida, coordenadora geral do SAMU regional Botucatu, que somente no primeiro semestre deste ano atendeu 75 casos de pacientes com sinais e sintomas de AVC.
“Temos que informar e conscientizar a população que o AVC, apesar de se manifestar de forma mais comum em pessoas mais idosas, também pode atingir os mais jovens. Inclusive, o Brasil é o campeão na América Latina de casos de AVC em pessoas abaixo dos 50 anos. Isso está associado principalmente ao tabagismo, obesidade, estresse e hipertensão”, enfatiza o médico neurologista do HCFMB e docente da Faculdade de Medicina de Botucatu/Unesp (FMB), Rodrigo Bazan.
 
Sintomas do AVC 
É possível suspeitar que uma pessoa esteja sofrendo um AVC ao observar alguns sinais como: paralisia em apenas um lado do corpo, alteração da sensibilidade de algum membro (sensação de amortecimento repentino), alteração na fala e alteração na visão. 
 
O Acidente Vascular Cerebral pode ser causado, principalmente, pela hipertensão (pressão alta), tabagismo, diabetes, arritmia cardíaca (fibrilação atrial) e sedentarismo. O AVC, apesar de ser um risco para pessoas de todas de todas as idades, é mais comum em homens entre 65 e 70 anos.
 
Aproximadamente 70% dos pacientes vítimas de AVC não conseguem retornar ao trabalho por ter ficado com algum tipo de sequela, que podem variar desde uma leve paralisia facial até a pessoa permanecer em estado vegetativo pelo resto da vida.
 
Sobre a Unidade de AVC
A Unidade de AVC do HCFMB foi credenciada, em junho deste ano pelo Ministério da Saúde, ao nível III (de cuidados semi-intensivos), o mais alto na hierarquia dessa modalidade de assistência. Há apenas outras três no Estado de São Paulo. O HCFMB é o segundo do interior do Estado de São Paulo a receber esse reconhecimento, depois de passar por um processo de certificação que durou 20 meses.
 
Com este credenciamento, hoje o serviço recebe recursos para cobrir as despesas com seus 10 leitos de internação, além de contar com o custeio de um medicamento específico para o tratamento do AVC: o Alteplase. Até então, todo esse financiamento era de responsabilidade do próprio HCFMB.
 
A Unidade de AVC tem abrangência regional [13 municípios da região pertencente ao Polo Cuesta] e conta com o suporte de uma equipe multiprofissional, formada por médicos, enfermeiros, fisioterapeutas, fonoaudiólogos, psicólogos, assistentes sociais e nutricionistas, atende mais de 30 pacientes por mês. Pelo menos metade destes pacientes é de Botucatu. 
 
Eles permanecem internados por 15 dias e seu quadro pode ter três evoluções distintas: encaminhamento para a UTI (Unidade de Terapia Intensiva) em caso de piora; transferência para uma enfermaria; ou alta hospitalar. Após deixar a Unidade de AVC, o paciente ainda é acompanhado em um ambulatório especializado, no próprio HCFMB, durante seis meses, e depois reencaminhado para a Unidade Básica de Saúde mais próxima da sua residência.
 
Sobre o SAMU 192
O SAMU realiza o atendimento de urgência e emergência sempre quando acionado pelo telefone gratuito 192. Ele funciona 24 horas por dia e atende às urgências de natureza traumática, clínica, pediátrica, cirúrgica, ginecológico-obstétrica e de saúde mental da população.   
 
A equipe é formada por profissionais de saúde como médicos reguladores e intervencionistas, telefonistas auxiliares de regulação médica (TARM), rádio operadores (RO), enfermeiros, técnicos/auxiliares de enfermagem, condutores socorristas e lavadores de ambulância.   
 
Entre o deslocamento da ambulância e o tempo de resposta efetivo do paciente, o tempo de atendimento do SAMU 192 em Botucatu gira em torno de 7 a 12 minutos em média. O preconizado pelo Ministério da Saúde é que o serviço seja realizado no máximo em 15 minutos. 
 
Essa agilidade no atendimento tem ajudado a reduzir o número de óbitos, o tempo de internação em hospitais e as sequelas decorrentes da falta de socorro precoce. Por isso ele figura entre os melhores serviços do Estado de São Paulo e um dos mais bem avaliados do Brasil.  
 
Quando chamar o SAMU 192?
Problemas cardiorrespiratórios graves
Dor aguda no peito
Convulsão
Acidentes ou agressão com armas “brancas” ou de fogo
Suspeita de derrame (AVC): alteração na fala ou na face e falta de força nos braços
Intoxicação
Queimaduras graves
Crises hipertensivas
Afogamentos
Choque elétrico
Desmaios
Acidentes com traumas graves
Trabalho de parto onde há risco de morte da mãe/feto
Quaisquer outros casos de ameaça à vida
 
Serviço
Central de Regulação/SAMU 192 Botucatu
Espaço Saúde Profª Cecília Magaldi
Avenida Santana, 353 – Centro
Telefone: 192
 
Fonte: com informações da Assessoria de Imprensa do HCFMB

 

Scroll Up