Ongs tentam salvar centenas de cães e gatos deixados para trás em Cabul, no Afeganistão

Difícil resistir ao encantamento dos peludos de quatro-patas, e mais difícil ainda é deixa-los para trás em um cenário de guerra. A triste situação foi vivida por inúmeras famílias que, para fugir de Cabul, dominada pelo grupo extremista Talibã, foram obrigados a se separar dos bichanos.

Mas há esperança. Impedidos de entrarem nos voos convencionais, centenas de animais estão sendo acolhidos por organizações não-governamentais que atuam em defesa dos bichos. Juntos, esse “protetores” batalham para fretar voos especiais, em uma corrida contra o tempo.

A ong Kabul Small Animal Rescue tem trabalhado para arrecadar pelo menos US $ 1,5 milhão para um avião de carga capaz de transportar mais de 200 cães e gatos, além equipe de resgate e suas famílias. Eles têm até o dia 31 de agosto para fazer isso, atendendo ao prazo para a retirada das tropas estrangeiras do Afeganistão.

Segundo a ativista e fundadora da Ong, Charlotte Maxwell-Jones, é preciso conseguir caixas transportadoras e comida para os animais, assim como autorizações e vistos adequados para viajar com eles para outros países. Há uma forte pressão do Talibã para que grupos e organizações de ajuda deixem o país.

Ela disse à agência de notícias NPR que os extremistas chegaram a procurá-la oferecendo saída “segura” para a equipe da ONG, mas ela recusou por não ser capaz de abandonar os animais na região sitiada.

Missão de alto risco

Na manhã desta quinta-feira, Pen Farthing estava se aproximando de carro dos arredores do aeroporto de Cabul quando um violento e inesperado ataque suicida ocorreu próximo de onde estava.

O ex-fuzileiro naval da marinha britânica é fundador do Nowzad, um centro de abrigo de animais na cidade, e espera em breve embarcar em um voo de evacuação rumo ao Reino Unido com cerca de 200 cães resgatados. Os animais aguardam no aeroporto em um container de viagem.

A operação, que pleiteia apoio do governo britânico, estava prevista para ocorrer hoje, mas foi cancelada por questões de seguranças após o ataque nesta manhã, que foi seguido de outra explosão pouco tempo depois. Ao menos 13 pessoas morreram no local.

Segundo a BBC News, a expectativa é de que um país vizinho ajude na remoção de Pen, sua equipe e os animais de Cabul, em um primeiro momento, antes do retorno para o Reino Unido. A alternativa depende de permissão. Do lado dos governos, a pressão é pelo resgate prioritário de pessoas.

Originário de Éssex, no sudeste do Reino Unido, Farthing fundou seu abrigo de animais após servir na guerra do Afeganistão nos anos 2000, e diz que não deixará o país sem sua equipe nem os animais.

Em sua última mensagem publicada nesta quinta no Twitter, antes do cancelamento do voo, Farthing pede ajuda ao porta-voz para assuntos políticos do Taleban, Suhail Shaleen. “Caro senhor; minha equipe e meus animais estão presos aeroporto. Temos um vôo esperando. Você pode facilitar uma passagem segura para o aeroporto para nosso comboio? Somos uma ONG que vai voltar ao Afeganistão, mas agora quero tirar todos com segurança”, suplicou.

Fonte: Um Só Planeta

Scroll Up