O que é a placa bacteriana dentária?

A higiene correta é o melhor caminho para evitar esse e outros problemas dentários

Você pode até não saber, mas os dentes não são ossos e sim pequenos órgãos enrijecidos com a função principal de rasgar e triturar os alimentos que chegam à boca. Logo, assim como qualquer outro órgão do nosso corpo, eles também exigem cuidados específicos.

O principal deles diz respeito à higiene bucal, que engloba o uso diário do fio dental para eliminar os restos de alimento que ficam entre os dentes, bem como a escovação após cada refeição e antes de dormir. Quando isso não acontece da forma adequada, podem surgir problemas como a chamada placa bacteriana.

Apesar de ser, por vezes, confundida com o tártaro, a placa bacteriana dentária, na verdade, é um indicativo para possíveis problemas futuros caso a higienização não seja retomada o quanto antes. Alguns exemplos deles são a gengivite, a periodontite, as cáries e o tártaro.


Entenda melhor o que é a placa bacteriana


Antes de falar dos cuidados gerais, é importante entender com toda clareza o significado de placa bacteriana. Também chamada de biofilme dental, a placa bacteriana é composta pelo acúmulo de restos de alimentos, bactérias e micro-organismos que vão se aderindo aos dentes pela má higiene.

Trata-se de uma película transparente e pegajosa que vai se acumulando nos nossos dentes de forma gradual. O problema é que, exatamente por ser transparente, ela acaba sendo imperceptível aos olhos, sendo necessário o uso de um produto específico, o revelador, para “denunciar” a existência dessas placas.

Em formato líquido, em pastilha ou como creme dental, o revelador tem a função de colorir as regiões onde as placas estão presentes. Dessa forma, fica muito mais fácil saber onde caprichar na higiene dos dentes. Isso, porém, é muito mais usado nos consultórios dos dentistas do que no nosso dia a dia.

O primeiro sinal de que você pode estar com placa bacteriana é uma sensação rugosa quando você passa a língua nos dentes. É preciso ressaltar, porém, que a placa não é um problema por si só, até porque é algo quase natural e que pode ser perfeitamente eliminada através da higiene adequada.

No entanto, sua presença pode ser uma origem direta ou indireta para problemas mais graves e que exigem a intervenção de um odontologista. O exemplo mais claro é o tártaro que, nada mais é do que a evolução de um quadro de placa bacteriana que não recebeu o devido tratamento.

As cáries também têm uma forte relação com as placas bacterianas, assim como outros problemas bucais como a gengivite, periodontite e, em casos mais graves, a endocardite bacteriana.


Como evitar as placas bacterianas


Apesar da propensão para o surgimento de problemas como os já citados, as placas bacterianas são mais fáceis de resolver do que se pode imaginar. Para isso, é preciso manter uma escovação adequada após todas as refeições e antes de dormir, usando um bom creme dental.

Depois da escovação, deve-se conciliar a limpeza com o uso do fio ou fita dental, de modo a remover as possíveis sujeiras que ficam entre os dentes e não são extirpadas com a escovação. Para finalizar o processo, o enxaguante bucal é uma excelente opção.

Esses são os cuidados básicos que se pode ter no dia a dia para evitar as placas bacterianas, mas não são os únicos. A ingestão excessiva de alimentos à base de açúcar (principalmente os industrializados) é um fator que contribui para o surgimento de problemas bucais e, por isso mesmo, deve ser evitada.

Por fim, mas não menos importante, outra recomendação é ir ao dentista periodicamente. Isso permitirá que ele avalie a saúde dos seus dentes e, consequentemente, ajuda a evitar problemas futuros.

Scroll Up