Marília registra terceiro caso do ano de raiva bovina, e reforça importância da vacinação

AdSense Postagem 01

Postagem Única 01 Mobile

A Prefeitura de Marília (SP) informou nesta sexta-feira (18) o registro do terceiro caso do ano de raiva bovina na cidade. O caso surge 17 dias após o anúncio de dois casos de raiva bovina em propriedades rurais às margens da Rodovia Transbrasiliana (BR-153), na divisa dos municípios de Júlio Mesquita e Álvaro de Carvalho.

Desta vez, o registro da doença foi feito em uma propriedade rural localizada no distrito de Rosália. Segundo a Divisão de Zoonoses da Secretaria Municipal da Saúde, há ainda na cidade 14 casos de óbitos de animais registrados como suspeitos da doença.

A raiva, uma vez instalada no sistema nervoso central, provoca a morte do animal em praticamente 100% dos casos. O único tratamento viável consiste no uso preventivo de vacinas.

A vacinação de animais de produção é obrigação dos pecuaristas e produtores rurais, sob orientação e supervisão dos órgãos vinculados ao Ministério da Agricultura, principalmente em áreas onde se observa o ataque dos rebanhos por morcegos hematófagos, que se alimentam de sangue.

Segundo o médico veterinário Lupércio Garrido, a Secretaria Municipal de Saúde conseguiu 500 doses da vacina e iniciará a imunização a partir do próximo dia 4 de janeiro. Em novembro, a prefeitura vacinou cães e gatos das propriedades rurais da área atingida.

Garrido destacou a importância de se manter imunizados os rebanhos em áreas onde se observa a ação de morcegos hematófagos, assim como os cães e gatos que, caso infectados, representam grande risco de transmissão ao ser humano dessa doença que não tem cura.

As variantes do vírus rábico que circulam atualmente no estado de São Paulo têm origem em morcegos, independentemente de serem vampiros ou não.

Esse fato, segundo Garrido, determina um conjunto de sintomas pouco clássico em cães e gatos, que geralmente mudam de comportamento, se tornam arredios, com dificuldades para deglutir e se locomover.

Já os bovinos e equinos infectados costumam apresentar salivação, dificuldades de locomoção e deglutição.

Fonte: G1 – Foto: Prefeitura de Marília/Divulgação

Postagem Única 02 Mobile

Anunciantes