Luis Arce toma posse como presidente da Bolívia

AdSense Postagem 01

Postagem Única 01 Mobile

O presidente eleito na Bolívia, Luis Arce, tomou posse neste domingo (8), ao lado do vice David Choquehuanca. Em seu discurso de posse, ele pregou a união, exaltou a democracia e afirmou que este é o início de uma nova etapa na história do país.

Arce, ex-ministro de Morales e considerado o “cérebro” das reformas econômicas, obteve 55,1% dos votos válidos. Seu principal rival na disputa, o ex-presidente Carlos Mesa, atingiu 29% dos votos, e se recusou a reconhecer a derrota.

A cerimônia de posse ocorreu um ano após a renúncia de Evo Morales, que ficou quase 14 anos no poder.

Discurso

Assembleia Legislativa da Bolívia durante posse do presidente Luis Arce — Foto: AFP
Assembleia Legislativa da Bolívia durante posse do presidente Luis Arce (Fotos: Reprodução)

A cerimônia ocorreu na sede da Assembleia Legislativa. Em seu discurso de posse, Arce falou sobre o triunfo da democracia através do voto e ressaltou que os eleitores escolheram a paz e a estabilidade.

“A partir de 10 de novembro de 2019, depois de 21 dias em que se escamoteou a vontade popular expressada nas urnas, Bolívia foi cenário de uma guerra interna e sistemática contra o povo, especialmente os mais humildes”, afirmou.

“Se espalhou morte, medo e discriminação. Encrudesceu o racismo e se usou a pandemia para prorrogar um governo ilegal e ilegítimo”, afirmou Arce.

“Não é o ódio que impulsiona nossos atos, mas uma paixão pela Justiça”, afirmou.

“Neste 8 de novembro de 2020 iniciamos uma nova etapa na nossa história, e queremos fazer um governo que seja para todas e para todos, sem discriminação de nenhuma natureza”, declarou o presidente.

Arce citou a pandemia e disse que o país retrocedeu em conquistas recentes, com queda do Produto Interno Bruto de 11%. Depois, acusou o governo provisório de má gestão durante a crise sanitária e econômica provocada pelo coronavírus.

O vice-presidente David Choquehuanca falou antes de Luis Arce.

Ele citou os indígenas da Bolívia, os povos originários, e pregou a união, falando sobre “conciliar ideias da direita e da esquerda”.

Bolivianos reunidos em frente à Basília de São Francisco, em La Paz, durante posse do presidente eleito Luis Arce, neste domingo (8). — Foto: AFP
Bolivianos reunidos em frente à Basília de São Francisco, em La Paz, durante posse do presidente eleito Luis Arce, neste domingo (8) (Foto: Reprodução)

‘Novo tempo’

Antes da posse, Arce afirmou que a Bolívia “inicia um novo tempo” e agradeceu aos eleitores. “#Bolivia inicia um novo tempo. Agradecemos às mulheres e aos homens bolivianos que de todo o país nos acompanham na ascensão ao comando presidencial”, escreveu em uma rede social.

Evo Morales, exilado na Argentina, escreveu que este domingo “é um dia histórico”.

“Hoje, 8 de novembro, é um dia histórico para a posse de @LuchoXBolivia e a recuperação da democracia exatamente um ano após o motim policial em 8 de novembro de 2019. Vencemos a batalha apenas com a consciência do povo, sem violência”, escreveu.

O ex-presidente declarou que voltará à Bolívia na segunda-feira (9), após a posse de Arce.

A renúncia de Morales ocorreu em meio a uma mobilização social que, somada ao motim de grande parte dos policiais bolivianos e ao pedido de renúncia feito pelas Forças Armadas, acabou por destituí-lo do poder.

Líderes na posse

Vários chefes de estado acompanharam a cerimônia, como o presidente da Argentina, Alberto Fernández, o chanceler da Venezuela, Jorge Arreaza, além do ministro das Relações Exteriores do Irã, Mohammad Yavad Zarif, que já se reuniu com Arce e Choquehuanca, segundo a rede de notícias Telesur.

O rei espanhol Felipe VI também está em La Paz, ao lado do vice-presidente e líder do Podemos, Pablo Iglesias. Também comparecem à cerimônia uma delegação dos Estados Unidos (EUA) chefiada pelo subsecretário da Fazenda para Assuntos Internacionais, Brent Mclntosh.

Iván Duque, presidente da Colômbia; Mario Abdo Benítez, presidente do Paraguai; e o ex-presidente do Panamá, Martín Torrijos, também eram esperados, assim como Wálter Martos, chefe do Conselho de Ministros do Peru, Francisco Carlos Bustillo e Andrés Allamand, chanceleres do Uruguai e do Chile, respectivamente.

Cerimônias ancestrais

Aimarás fazem oferenda antes da cerimônia de posse do presidente eleito da Bolívia, Luis Arce. — Foto: David Mercado/Reuters
Aimarás fazem oferenda antes da cerimônia de posse do presidente eleito da Bolívia, Luis Arce (Foto: Reprodução)

Antes do ato formal da posse, foram feitas cerimônias ancestrais. Um grupo de “amautas” ou sábios espirituais indígenas aimarás preparou um altar com oferendas para a “Pachamama”, ou Mãe Terra, na Plaza Murillo de La Paz, onde está localizado o Palácio do Governo e a sede do Legislativo boliviano.

O ritual de gratidão à “Pachamama” foi para pedir à divindade andina que dê força ao novo governante, segundo a Telesur.

Atentado

Na última quinta (5), Arce sofreu um atentado em La Paz. Uma dinamite explodiu à frente da sede do comitê de campanha do partido, segundo o porta-voz do Movimento ao Socialismo (MAS), Sebastián Michel.

Arce estava no comitê quando uma banana de dinamite foi arremessada na porta do imóvel. Não houve feridos ou danos ao imóvel.

Fonte: Yahoo!

Postagem Única 02 Mobile

Anunciantes