Luciano Huck rebate deputado Fernando Cury que o citou ao se defender do assédio na Alesp: “Aos assediadores, o rigor da lei. E o repúdio público”

AdSense Postagem 01

Postagem Única 01 Mobile

Luciano Huck se posicionou contra o deputado estadual de Botucatu Fernando Cury (Cidadania-SP), que o citou em defesa contra acusação de assédio levantada pela colega de Alesp (Assembleia Legislativa do Estado de São Paulo), Isa Penna (PSOL).

“Aos assediadores, o rigor da lei. E o repúdio público. A luta das mulheres por igualdade é uma luta de todos nós. É uma questão de toda a sociedade, muito além das disputas partidárias, crenças ou ideologias”, escreveu Luciano Huck em seu Twitter.

Como Huck entrou na história?

Em peça de defesa endereçada à comissão de ética do seu partido, que abriu processo para investigá-lo, o deputado Cury citou uma possível candidatura de Luciano Huck à presidência em 2022, pelo Cidadania, como motivo para a sua condenação.

“Nada justifica (nem mesmo a eventual candidatura pelo Cidadania de Luciano Huck à presidência da República) o desrespeito da Constituição da República e das regras procedimentais do código de ética por parte do próprio partido e de seu presidente nacional, Roberto Freire, prejulgando e prejudicando as regras de competência”, escreveu ele no documento.

Isa Penna tuitou em reação à defesa de Cury: “[Ele] e seus assessores não irão usar um caso de assédio para fazer espetáculo com cortina de fumaça, citando até Luciano Huck. Tenho certeza que Huck também não quer seu nome associado a um assédio. A Alesp e os meus colegas precisam abrir já uma sessão extraordinária. É repugnante saber que estes assessores agem a sangue frio, colocando maquiagens para desviar um assunto criminoso. É um desrespeito com as mulheres no Brasil, enquanto eles ganham tempo mulheres são estupradas, assediadas e assassinadas”.

O caso de assédio na Alesp

Penna registrou queixa contra Cury em 17 de dezembro por um incidente, filmado pelas câmeras da Alesp, em que ele se aproximou por trás da deputada, colocou e manteve as mãos em sua cintura, na altura dos seios.

Nas cenas, Penna reage e afasta o deputado com as mãos. Ele, então, põe a mão sobre o ombro da deputada, que reage novamente. Os dois gesticulam e conversam com o presidente da Assembleia, Cauê Macris (PSDB), até que Cury se afasta.

Dias depois, Cury negou que houve tentativa de assédio em seu gesto, pedindo desculpas a Penna “se ela se sentiu ofendida com o abraço que ele a deu”. A deputada, por sua vez, disse que só aceitaria as desculpas se o colega reconhecesse que houve assédio.

Por enquanto, nem a direção do Cidadania nem o Conselho de Ética da Alesp chegaram a um veredito no processo contra Cury.

UOL

Postagem Única 02 Mobile

Anunciantes