Itália endurece regras para chegada de viajantes da União Europeia

A Itália endureceu as condições de acesso ao país para os viajantes procedentes da União Europeia (UE), exigindo um teste negativo obrigatório para todos e uma quarentena de cinco dias para os não vacinados.

Assinada pelo ministro da Saúde, Roberto Speranza, a norma entra em vigor nesta quinta-feira (16).

As autoridades solicitam “a apresentação obrigatória de um teste negativo na saída do país de origem para todas as pessoas que chegarem dos países da União Europeia”, explicou um porta-voz.

Até então, os cidadãos da UE podiam viajar para a Itália com o passaporte sanitário que certifica que foram submetidos ao ciclo completo de vacinação, ou que superaram um quadro de covid-19, ou que tiveram um teste negativo, ambos recentemente.

Indivíduos não vacinados terão de cumprir uma quarentena de cinco dias em sua chegada, além de apresentar um teste negativo para coronavírus.

Pessoas que chegaram de fora da UE também deverão cumprir uma quarentena.

Válidas até 31 de janeiro de 2022, estas novas medidas foram adotadas em meio à nova onda de covid-19, marcada pela rápida propagação da variante ômicron.

Segundo estudos recentes, essa variante pode ser mais resistente às vacinas e é mais transmissível do que a variante delta, que é detectada na maioria dos casos de coronavírus no mundo.

A Itália, que pagou um preço alto com mais de 133.000 mortes desde o início da pandemia, registrou mais de 23.000 novos casos e 129 mortes nesta quarta-feira.

Na segunda-feira, o chefe de Governo italiano Mario Draghi estendeu o estado de emergência até 31 de março de 2022 devido à nova situação.

O governo decidiu também prolongar até 31 de janeiro o chamado “super green pass” ou passaporte sanitário reforçado.

Esse requisito impede os não vacinados de entrarem em restaurantes, cinemas, teatros, estádios e entrou em vigor em 6 de dezembro.

Devido ao novo surto, as autoridades de diferentes cidades, entre elas Roma, Nápoles e Veneza, anunciaram o cancelamento de shows, espetáculos e festas previstas para o Ano Novo.

Em um discurso ao Parlamento nesta quarta-feira, o primeiro-ministro Draghi pediu aos italianos que sejam “prudentes” com o objetivo de passar um Natal “seguro”.

Draghi afirmou que a campanha de vacinação na Itália foi bem-sucedida, já que mais de 85% da população maior de 12 anos recebeu as duas doses e quase 20% a terceira.

Fonte: Yahoo!