Internado em Botucatu, cachorro enterrado vivo ‘perde’ orelha para cirurgia de reconstrução do pescoço

cachorro que foi resgatado após ser enterrado vivo em um terreno às margens da Rodovia Antônio Romano Schincariol, entre Boituva e Tatuí (SP), passou por uma nova cirurgia nesta segunda-feira (11).

Segundo a União Protetora dos Animais (UIPA), durante o procedimento, uma das orelhas do cachorro teve que ser retirada para refazer os enxertos no ferimento do pescoço dele.

A ONG de Itapetininga também informou que o Menino, como passou a ser chamado, teve uma parada cardíaca na cirurgia e “deu um susto” na equipe médica. No entanto, o cachorro conseguiu passar pelo procedimento de quase cinco horas e está em recuperação.

“Ainda não podem dizer que foi um sucesso, mas ele aguentou a cirurgia, já está voltando da anestesia, já é uma grande vitória. Agora ele ficará monitorado e os dias nos dirão como será o resultado da cirurgia”, informou a UIPA.

Cachorro que foi enterrado vivo foi resgatado e recebeu atendimento veterinário no Hospital Municipal Pet de Itapetininga (SP) — Foto: União Protetora do Animais de Itapetininga/ Divulgação
Cachorro que foi enterrado vivo foi resgatado e recebeu atendimento veterinário no Hospital Municipal Pet de Itapetininga (SP) (Foto: União Protetora do Animais de Itapetininga/ Divulgação)

O cachorro de aproximadamente 6 anos de idade foi encontrado por um casal de Itapetininga que transitava pela Rodovia Antônio Romano Schincariol, entre Boituva e Tatuí, no dia 12 de setembro. Ele estava com a cabeça para fora da terra e agonizava, segundo a associação, com um corte profundo no pescoço.

Desde então, o Menino foi resgatado e passou por vários procedimentos em uma clínica de Botucatu. Em um deles, foi usada parte da pele da pata para enxertar os ferimentos no pescoço, mas o cachorro contraiu uma bactéria e os enxertos não se adaptaram ao corpo do animal.

Por isso, foi necessário fazer a nova cirurgia nesta segunda-feira (11). A ONG de Itapetininga tem feito campanhas nas redes sociais para pagar as cirurgias, medicamentos, exames e consultas diárias do Menino.

“Continuemos torcendo por ele, um guerreiro, um anjo lindo que vence a cada dia. Agradecemos todos vocês que dividiram esse dia de agonia junto com a gente, vamos continuar na mesma união de amor”, publicou a ONG.

Investigação

Depois que o cão da raça Dachshund (cachorro salsicha) foi encontrado enterrado vivo às margens da rodovia, um boletim de ocorrência por maus-tratos foi registrado no dia 14 e a Polícia Civil está investigando o caso.

Cachorro enterrado vivo estava com corte profundo no pescoço — Foto: União Protetora dos Animais de Itapetininga/ Divulgação
Cachorro enterrado vivo estava com corte profundo no pescoço (Foto: União Protetora dos Animais de Itapetininga/ Divulgaçãp)

Segundo o registro policial, os moradores que encontraram o cachorro viram uma pessoa com uma enxada nas mãos, na altura do quilômetro 28 da Rodovia Antônio Romano Schincariol, e pararam para verificar a situação.

Conforme o BO, o casal fez perguntas ao homem, mas ele colocou a enxada no porta-malas do carro e saiu do local. Logo depois, os moradores encontraram um monte de terra com uma pequena parte da cabeça do cachorro.

Três dias depois do registro do boletim de ocorrência, a polícia localizou os suspeitos. Ao g1, o delegado responsável pelo caso, José Luiz Silveira Teixeira, contou que a mulher disse que o marido dela enterrou o cachorro pensando que o animal já estivesse morto.

Após cirurgia de reconstrução, cachorro que foi enterrado vivo em Tatuí (SP) se alimenta com ajuda de sonda. — Foto: União Protetora do Animais/ Divulgação
Após cirurgia de reconstrução, cachorro que foi enterrado vivo em Tatuí (SP) se alimenta com ajuda de sonda. (Foto: União Protetora do Animais/ Divulgação)

Segundo o relato da mulher à polícia, o animal ficou ferido em uma briga com um pit bull e, por isso, tinha um corte profundo no pescoço.

Aos policiais, ela ainda informou que, depois da briga com o pit bull, o casal levou o cachorro ao veterinário, mas, por conta do preço estabelecido para o tratamento, retornou para casa e decidiu enterrar o animal.

Após o depoimento da esposa, o homem compareceu à delegacia de polícia, onde prestou depoimento e foi liberado.

O delegado afirmou ainda que aguarda os laudos veterinários para dar continuidade ao processo e que o homem será investigado em liberdade pelo crime de maus-tratos.

Fonte: G1

Scroll Up