Hidrovia Tietê-Paraná retoma transporte de carga depois de oito meses de paralisação

A retomada da navegação na Hidrovia Tietê-Paraná é prevista para esta terça-feira (15), após oito meses de paralisação. O transporte de carga foi interrompido depois que o Governo Federal determinou o uso da água dos reservatórios do Rio Tietê para produção de energia, tornando impraticável a navegação pela hidrovia.

A princípio, a navegabilidade voltará de forma gradativa, com calado inicial de 2,40 metros. A previsão é de que o Rio Tietê atinja a forma plena, de 2,70 metros, até o final do mês de março. Para navegabilidade, o Rio Tietê, ponto de partida, precisa ter, no mínimo, 2,20 metros de profundidade.

Estiagem afeta o transporte de carga na Hidrovia Tietê-Paraná — Foto: Reprodução/TV TEM
Estiagem afeta o transporte de carga na Hidrovia Tietê-Paraná (Foto: Reprodução/TV TEM)

Diante da seca no último ano, a região do porto intermodal de Pederneiras (SP) recebeu a última barcaça no dia 27 de agosto de 2021, antes da paralisação das operações.

Com 2,4 mil quilômetros de extensão, a Hidrovia Tietê-Paraná é o principal corredor para escoamento da produção agrícola dos estados do Mato Grosso, Goiás, Minas Gerais, Paraná e São Paulo.

A produção vem pelo rio até o porto intermodal de Pederneiras, no centro-oeste paulista, antes da transferência por trem até o porto de Santos (SP).

Última barcaça chega ao porto intermodal de Pederneiras antes da paralisação da hidrovia — Foto: Thais Andrioli/TV TEM
Última barcaça chega ao porto intermodal de Pederneiras antes da paralisação da hidrovia (Foto: Thais Andrioli/TV TEM)

Essa não foi a primeira vez que o transporte pela hidrovia foi interrompido. Entre 2014 e 2016, durante uma das maiores crises hídricas do estado de SP, a hidrovia também ficou paralisada por 20 meses.

Importância econômica

Em 2020, antes da paralisação, 2,1 milhões de toneladas de cargas foram transportadas pela hidrovia. Para 2021, a expectativa era de um aumento de 10% a 15% em relação aos anos anteriores, mas a paralisação evitou o crescimento do setor.

No porto de Pederneiras, 80% dos trabalhadores foram demitidos, sendo estimado um prejuízo de R$ 3 bilhões para o setor, de acordo com o sindicato das empresas que operam na hidrovia.

Sem a Tietê-Paraná, toda a produção agrícola foi transportada pelas rodovias, tornando a operação mais cara. A exemplo dos custos, um comboio de quatro barcaças viaja com seis mil toneladas de carga, enquanto que, para transportar essa mesma quantidade por terra, são necessários 162 caminhões.

Fonte: G1