25 de julho, 2024

Últimas:

Foto de crocodilo camuflado vence prêmio mundial; veja mais 13 imagens

Anúncios

O World Nature Photography Awards revelou as imagens e os fotógrafos vencedores da edição de 2022. Jens Cullmann recebeu o prêmio principal, de Fotógrafo do Ano, por sua imagem de um crocodilo à espreita, camuflado na lama, no Parque Nacional Mana Pools, no Zimbábue.

Veja abaixo as imagens vencedoras de 14 categorias. As legendas foram fornecidas pelos fotógrafos.

Anúncios

Retratos de Animais e Fotógrafo do Ano

Jens Cullmann, Alemanha – Esta fotografia é o resultado da minha observação da maior piscina no Parque Nacional Mana Pools, Zimbábue, numa época em que uma seca prolongada reduziu o lago a uma lama que secava rapidamente. Tive que ter muito cuidado para não perturbar o crocodilo, mesmo que estivesse enterrado na lama seca. Eles se lançarão com tremenda velocidade e força em qualquer animal tolo o suficiente para chegar muito perto. Durante a estação seca, as temperaturas podem chegar a 45 ºC e os crocodilos tentam reduzir a temperatura corporal enterrando-se na lama. Um crocodilo gigante como este poderia sobreviver submerso por meses sem comer, vivendo de suas reservas de gordura. Esse é um processo conhecido como estivação  — Foto: Jens Cullmann/ WNPA/ Divulgação

Jens Cullmann, Alemanha – Esta fotografia é o resultado da minha observação da maior piscina no Parque Nacional Mana Pools, Zimbábue, numa época em que uma seca prolongada reduziu o lago a uma lama que secava rapidamente. Tive que ter muito cuidado para não perturbar o crocodilo, mesmo que estivesse enterrado na lama seca. Eles se lançarão com tremenda velocidade e força em qualquer animal tolo o suficiente para chegar muito perto. Durante a estação seca, as temperaturas podem chegar a 45 ºC e os crocodilos tentam reduzir a temperatura corporal enterrando-se na lama. Um crocodilo gigante como este poderia sobreviver submerso por meses sem comer, vivendo de suas reservas de gordura. Esse é um processo conhecido como estivação (Foto: Jens Cullmann/ WNPA/ Divulgação)

Comportamento — Mamíferos

Hidetoshi Ogata, Japão – Os macacos-japoneses da Ilha Awaji, no Japão, ficam amontoados em grupos que às vezes chegam a mais de trinta. Em outros lugares, esses 'abraços' costumam ser formados por poucos animais, raramente mais de dez. Carícias e cuidados estão entre as várias razões possíveis para esse comportamento. Ele começa com a mãe e o bebê abraçados. Outras fêmeas e machos jovens se juntam a eles. Esta foto captura um raro momento durante a estação de lactação, quando três pares de macacos se amontoam após a limpeza. A maioria dos macacos Awaji não é agressiva e, quando estão criando seus bebês, as mães criam comunidades que não têm hierarquias sociais — Foto: Hidetoshi Ogata/ WNPA/ Divulgação

Hidetoshi Ogata, Japão – Os macacos-japoneses da Ilha Awaji, no Japão, ficam amontoados em grupos que às vezes chegam a mais de trinta. Em outros lugares, esses ‘abraços’ costumam ser formados por poucos animais, raramente mais de dez. Carícias e cuidados estão entre as várias razões possíveis para esse comportamento. Ele começa com a mãe e o bebê abraçados. Outras fêmeas e machos jovens se juntam a eles. Esta foto captura um raro momento durante a estação de lactação, quando três pares de macacos se amontoam após a limpeza. A maioria dos macacos Awaji não é agressiva e, quando estão criando seus bebês, as mães criam comunidades que não têm hierarquias sociais (Foto: Hidetoshi Ogata/ WNPA/ Divulgação)

Anúncios

Comportamento — Anfíbios e répteis

Norihiro Ikuma, Japão – O 'sapo do córrego japonês' vive nas profundezas das montanhas de Owase em Mie, no Japão, e só desce para o rio para desovar — Foto: Norihiro Ikuma/ WNPA/ Divulgação

Norihiro Ikuma, Japão – O ‘sapo do córrego japonês’ vive nas profundezas das montanhas de Owase em Mie, no Japão, e só desce para o rio para desovar (Foto: Norihiro Ikuma/ WNPA/ Divulgação)

Comportamento — Aves

Charles Schmidt, Estados Unidos – Eu estava observando um par de patos-mergulhões encapuzados, esperando que eles decolassem. Os patos geralmente começam a nadar mais rapidamente quando estão se preparando para voar. Eu vi que eles começaram a nadar mais rápido e assim estava preparado para pegá-los decolando. Tive sorte de eles terem vindo diretamente em minha direção! — Foto: Charles Schmidt/ WNPA/ Divulgação

Charles Schmidt, Estados Unidos – Eu estava observando um par de patos-mergulhões encapuzados, esperando que eles decolassem. Os patos geralmente começam a nadar mais rapidamente quando estão se preparando para voar. Eu vi que eles começaram a nadar mais rápido e assim estava preparado para pegá-los decolando. Tive sorte de eles terem vindo diretamente em minha direção! (Foto: Charles Schmidt/ WNPA/ Divulgação)

Comportamento — Invertebrados

Javier Heranz Casellas, Espanha – Um caranguejo vermelho (Grapsus adscensionis) surge envolto por uma fina cortina de água produzida pelas ondas do mar ao bater nas rochas onde procura os pequenos crustáceos e plantas de que se alimenta. Ilha de La Gomera, Espanha — Foto: Javier Heranz Casellas/ WNPA/ Divulgação

Javier Heranz Casellas, Espanha – Um caranguejo vermelho (Grapsus adscensionis) surge envolto por uma fina cortina de água produzida pelas ondas do mar ao bater nas rochas onde procura os pequenos crustáceos e plantas de que se alimenta. Ilha de La Gomera, Espanha (Foto: Javier Heranz Casellas/ WNPA/ Divulgação)

Arte da natureza

Tom Shlesinger, Israel – Os corais são animais, e é assim que eles se reproduzem e criam novas gerações de filhotes. Normalmente, ao mesmo tempo, milhares de corais de uma determinada espécie ao longo de centenas de quilômetros do recife se reproduzem desovando feixes de óvulos e espermatozóides em mar aberto. Esses feixes serão levados pelas correntes, misturando-se na água, até que finalmente se encontram. Um esperma fertilizará um óvulo e uma nova vida será criada. No entanto, capturar a desova de corais é um negócio complicado, pois geralmente acontece apenas uma vez por ano em um determinado mês, em uma noite específica e em uma determinada hora por uma janela de tempo muito curta, de apenas alguns minutos. Nesta foto, um close-up de um coral ramificado gera feixes rosados ​​de óvulos e espermatozoides — Foto: Tom Shlesinger/ WNPA/ Divulgação

Tom Shlesinger, Israel – Os corais são animais, e é assim que eles se reproduzem e criam novas gerações de filhotes. Normalmente, ao mesmo tempo, milhares de corais de uma determinada espécie ao longo de centenas de quilômetros do recife se reproduzem desovando feixes de óvulos e espermatozoides em mar aberto. Esses feixes serão levados pelas correntes, misturando-se na água, até que finalmente se encontram. Um esperma fertilizará um óvulo e uma nova vida será criada. No entanto, capturar a desova de corais é um negócio complicado, pois geralmente acontece apenas uma vez por ano em um determinado mês, em uma noite específica e em uma determinada hora por uma janela de tempo muito curta, de apenas alguns minutos. Nesta foto, um close-up de um coral ramificado gera feixes rosados ​​de óvulos e espermatozoides (Foto: Tom Shlesinger/ WNPA/ Divulgação)

Pessoas e natureza

Virgil Reglioni, Noruega – É assim que você se sente dentro das entranhas de uma geleira. Poucas pessoas ousariam entrar lá, onde é escuro, profundo, frio, barulhento e úmido. E esse é o propósito desta fotografia; forçando seus limites para capturar o que apenas alguns experimentarão à noite. O rapel foi incrível, pois quanto mais penetramos nesse monstro sombrio, mais o medo aumentava. A configuração era simplesmente impressionante, e eu me senti incrível apenas por estar pendurado naquele grande muro com cerca de 30 metros de vazio escuro sob meus pés e meu tripé pendurado no ar — Foto: Virgil Reglioni/ WNPA/ Divulgação

Virgil Reglioni, Noruega – É assim que você se sente dentro das entranhas de uma geleira. Poucas pessoas ousariam entrar lá, onde é escuro, profundo, frio, barulhento e úmido. E esse é o propósito desta fotografia; forçando seus limites para capturar o que apenas alguns experimentarão à noite. O rapel foi incrível, pois quanto mais penetramos nesse monstro sombrio, mais o medo aumentava. A configuração era simplesmente impressionante, e eu me senti incrível apenas por estar pendurado naquele grande muro com cerca de 30 metros de vazio escuro sob meus pés e meu tripé pendurado no ar (Foto: Virgil Reglioni/ WNPA/ Divulgação)

Plantas e fungos

Julie Kenny, Austrália – A árvore é vista como um símbolo sagrado, que carrega significados importantes nas filosofias religiosas e espirituais. De cima, os rastros de ovelhas ao redor combinados com a árvore caída me lembraram da Árvore da Vida. Enquanto a perspectiva aérea se concentra na terra, você pode ver a água acumulada nas trilhas das ovelhas refletindo toques de azul do céu. Embora isso represente muitas coisas diferentes, para mim comunica a interconexão de todas as coisas, começos e fins, o ciclo da vida — Foto: Julie Kenny/ WNPA/ Divulgação

Julie Kenny, Austrália – A árvore é vista como um símbolo sagrado, que carrega significados importantes nas filosofias religiosas e espirituais. De cima, os rastros de ovelhas ao redor combinados com a árvore caída me lembraram da Árvore da Vida. Enquanto a perspectiva aérea se concentra na terra, você pode ver a água acumulada nas trilhas das ovelhas refletindo toques de azul do céu. Embora isso represente muitas coisas diferentes, para mim comunica a interconexão de todas as coisas, começos e fins, o ciclo da vida (Foto: Julie Kenny/ WNPA/ Divulgação)

Embaixo d’água

Adriano Morettin, Itália – Um casal de camarões arlequim Hymanocera picta fotografado com os focinhos na estrela-do-mar azul Linkia laevigata no estreito de Lembeh, Indonésia — Foto: Adriano Morettin/ WNPA/ Divulgação

Adriano Morettin, Itália – Um casal de camarões arlequim Hymanocera picta fotografado com os focinhos na estrela-do-mar azul Linkia laevigata no estreito de Lembeh, Indonésia (Foto: Adriano Morettin/ WNPA/ Divulgação)

Paisagens e ambientes do planeta Terra

Jake Mosher, Estados Unidos – Em 17 de junho de 2021, caminhei com raquetes de neve e subi até o cume de 3.350 metros da Table Mountain de Wyoming para fotografar a Via Láctea sobre o Grand Teton Peak. Embora essas montanhas icônicas tenham sido fotografadas dezenas de milhares de vezes, eu queria mostrar uma visão totalmente única. Fui presenteado com uma das exibições mais espetaculares que já vi – uma luz semelhante à aurora boreal e criada por partículas carregadas, abrangendo grande parte do horizonte — Foto: Jake Mosher/ WNPA/ Divulgação

Jake Mosher, Estados Unidos – Em 17 de junho de 2021, caminhei com raquetes de neve e subi até o cume de 3.350 metros da Table Mountain de Wyoming para fotografar a Via Láctea sobre o Grand Teton Peak. Embora essas montanhas icônicas tenham sido fotografadas dezenas de milhares de vezes, eu queria mostrar uma visão totalmente única. Fui presenteado com uma das exibições mais espetaculares que já vi – uma luz semelhante à aurora boreal e criada por partículas carregadas, abrangendo grande parte do horizonte (Foto: Jake Mosher/ WNPA/ Divulgação)

Preto e branco

Ernoult Alain, França – A Iguana das Pequenas Antilhas, fotografada na Ilha de Granada (Ilhas de Barlavento, Caribe, Índias Ocidentais) — Foto: Ernoult Alain/ WNPA/ Divulgação

Ernoult Alain, França – A Iguana das Pequenas Antilhas, fotografada na Ilha de Granada (Ilhas de Barlavento, Caribe, Índias Ocidentais) (Foto: Ernoult Alain/ WNPA/ Divulgação)

Animais em seu habitat

Sascha Fonseca, Emirados Árabes Unidos – Um lindo leopardo-das-neves aciona minha armadilha fotográfica no alto do Himalaia indiano. Eu capturei esta imagem durante um projeto de armadilha fotográfica DSLR de 3 anos na região de Ladakh, no norte da Índia. O mistério que envolve essa espécie sempre me fascinou. Eles são alguns dos grandes felinos mais difíceis de fotografar na natureza. Não apenas por causa de sua incrível furtividade, mas também por causa do ambiente remoto em que vivem — Foto: Sascha Fonseca/ WNPA/ Divulgação

Sascha Fonseca, Emirados Árabes Unidos – Um lindo leopardo-das-neves aciona minha armadilha fotográfica no alto do Himalaia indiano. Eu capturei esta imagem durante um projeto de armadilha fotográfica DSLR de 3 anos na região de Ladakh, no norte da Índia. O mistério que envolve essa espécie sempre me fascinou. Eles são alguns dos grandes felinos mais difíceis de fotografar na natureza. Não apenas por causa de sua incrível furtividade, mas também por causa do ambiente remoto em que vivem (Foto: Sascha Fonseca/ WNPA/ Divulgação)

Fauna urbana

Vladislav Tasev, Reino Unido – Peneireiro-comum (Falco tinnunculus). Um pássaro macho empoleirado em seu ninho, em velhos, altos e enferrujados postes de luz de rua que se tornaram a casa da ave. Um lugar que eu não esperaria vê-la. Tirei a foto ao pôr do sol para ver a ferrugem, as lâmpadas e o pássaro na luz natural. O registro foi feito na cidade de Stara Zagora, na Bulgária, perto da Universidade Thracian, em um estacionamento abandonado perto de uma pequena floresta — Foto: Vladislav Tasev/ WNPA/ Divulgação

Vladislav Tasev, Reino Unido – Peneireiro-comum (Falco tinnunculus). Um pássaro macho empoleirado em seu ninho, em velhos, altos e enferrujados postes de luz de rua que se tornaram a casa da ave. Um lugar que eu não esperaria vê-la. Tirei a foto ao pôr do sol para ver a ferrugem, as lâmpadas e o pássaro na luz natural. O registro foi feito na cidade de Stara Zagora, na Bulgária, perto da Universidade Thracian, em um estacionamento abandonado perto de uma pequena floresta (Foto: Vladislav Tasev/ WNPA/ Divulgação)

Fotojornalismo na natureza

Nicolas Remy, Austrália – Uma foca australiana mostra um ferimento grave causado pela hélice de um barco. Clicado em Port Kembla, na Austrália — Foto: Nicolas Remy

Nicolas Remy, Austrália – Uma foca australiana mostra um ferimento grave causado pela hélice de um barco. Clicado em Port Kembla, na Austrália (Foto: Nicolas Remy)

Fundado em 2020, o World Nature Photography Awards já é considerado uma das principais premiações de fotografia de natureza e vida selvagem do mundo. A competição está aberta a fotógrafos amadores e profissionais de qualquer país e visa não apenas promover os melhores profissionais do mundo, mas provocar mudanças efetivas no planeta. Por exemplo, a organização planta uma árvore toda vez que um candidato se inscreve no concurso.

Fonte: Vida de Bicho

Talvez te interesse

Últimas

Crescimento de 150% nos ISBNs registrados revela tendência promissora na literatura ...

Categorias