Ex-presidente Macri vira réu por suposta espionagem sobre naufrágio de submarino na Argentina

O ex-presidente da Argentina Mauricio Macri virou réu por supostamente ter espionado famílias dos 44 marinheiros mortos do submarino militar ARA San Juan em 2017, quando ocupava a presidência, informou o juiz encarregado da investigação nesta quarta-feira (1º).

Na acusação formal, o juiz Martín Bava disse que Macri responderá em liberdade, mas estará proibido de deixar a Argentina. É o primeiro processo formal contra o ex-presidente desde que ele deixou o cargo, em 2019, segundo o “Clarín”.

“As práticas ilegais que se suspeitam nesta resolução nos remontam às épocas mais obscuras de nosso país”, disse o magistrado, referindo-se à Ditadura Militar argentina nas décadas de 1970 e 1980.

Macri é acusado de facilitar a espionagem para obter dados pessoais e informações sobre os familiares dos tripulantes do submarino. Inclusive, segundo o juiz, para verificar informações como opiniões políticas e participação em organizações sociais, sindicais e partidárias.

“É uma perseguição política”, disse Macri sobre o processo, durante visita ao Chile nesta quarta.

Macri presidiu a Argentina entre 2016 e 2019, quando perdeu a eleição para o atual presidente, Alberto Fernández.

O naufrágio do submarino ARA San Juan

Familiares da tripulação do submarino Ara San Juan protestam em 2018 fora da Basa Naval de Mar del Plata, na Argentina — Foto: Marina Devo/Reuters
Familiares da tripulação do submarino Ara San Juan protestam em 2018 fora da Basa Naval de Mar del Plata, na Argentina (Foto: Reprodução)

O ARA San Juan desapareceu em 15 de novembro de 2017, quando voltava do porto de Ushuaia, onde havia feito exercícios militares, para a base naval de Mar del Plata.

Horas antes, o comandante tinha feito o alerta de uma falha provocada pela entrada de água por um duto de ventilação que vazou no compartimento das baterias elétricas e produziu um princípio de incêndio.

Embora a Marinha argentina tenha garantido em várias ocasiões que essa falha foi “corrigida” e que o San Juan continuou navegando para Mar del Plata, o certo é que seu rastro foi perdido e nunca chegou ao porto dessa cidade, onde deveria ter atracado em 19 de novembro.

Só um ano depois do desaparecimento, o submarino foi encontrado em uma região de cânions (espécie de rios submarinos), a 907 metros de profundidade, e a 600 km da cidade de Comodoro Rivadavia, onde se tinha montado o centro de operações durante a busca.

Uma explosão submarina foi registrada no local três horas depois da última comunicação com o submarino, quando o capitão da embarcação reportou a superação de uma falha no sistema de baterias devido à entrada de água pelo snorkel.

Após especulações sobre a situação do submarino e sobre sua capacidade de renovar o oxigênio a bordo, essa tese da explosão passou a ser uma pista para a causa do acidente.

Ela explicaria a ausência da ativação da baliza de emergência e a interrupção completa das comunicações do submarino.

Alguns tripulantes comentaram que a embarcação tinha sido seguida por navios ingleses. Alguns familiares pensam que poderiam ter passado pela zona de exclusão das Ilhas Malvinas, cuja soberania motivou um conflito entre Argentina e Grã-Bretanha em 1982.

Fonte: Yahoo!

Últimas

Alerta de passagem de forte frente fria sobre o Brasil

07/08/2022

A segunda semana de agosto será marcada por uma atmosfera explosiva sobre o Brasil, pouco comum...

Categorias