23 de julho, 2024

Últimas:

EUA precisam acelerar entrega de armas a Taiwan, diz general norte-americano

Anúncios

Os Estados Unidos e seus aliados precisam acelerar a entrega de armas a Taiwan nos próximos anos para ajudar a ilha a se defender, disse o principal general dos EUA nesta sexta-feira.

Os Estados Unidos são o fornecedor de armas mais importante de Taiwan. Pequim tem exigido repetidamente o fim da venda de armas norte-americanas para Taiwan, considerando-as como um apoio injustificado à ilha democraticamente governada que a China reivindica como parte de seu território.

Anúncios

“A velocidade com que nós, os Estados Unidos, ou outros países ajudamos Taiwan a melhorar suas capacidades defensivas, acho que provavelmente precisa ser acelerada nos próximos anos”, disse o general do Exército dos EUA Mark Milley, chefe do Estado-Maior Conjunto norte-americano, a repórteres durante uma visita a Tóquio.

Milley disse que Taiwan precisa de armas como sistemas de defesa aérea e aquelas que podem atingir navios a partir de terra.

Anúncios

“Acho que é importante que as Forças Armadas de Taiwan e suas capacidades defensivas sejam aprimoradas”, disse ele.

Desde o ano passado, Taiwan tem se queixado de atrasos nas entregas de armas dos EUA, como os mísseis antiaéreos Stinger, uma vez que os fabricantes voltaram a fornecer suprimentos para a Ucrânia, que luta contra as forças russas que invadiram o país. A questão preocupou alguns parlamentares dos EUA.

Chefe do Estado-Maior Conjunto dos EUA, general Mark Milley, durante entrevista coletiva em Washington (Foto: Reprodução)

Taiwan disse que seus gastos com defesa este ano se concentrarão na preparação de armas e equipamentos para um “bloqueio total” da China, incluindo peças para caças F-16 e reposição de armas.

A China realizou jogos de guerra ao redor da ilha em agosto, disparando mísseis sobre Taipé e declarando zonas de exclusão aérea e de navegação, em uma simulação de como tentaria isolar Taiwan em uma guerra.

Nos últimos dias, os militares chineses têm praticado operações de forças conjuntas no mar antes dos jogos de guerra anuais de Taiwan no final do mês, quando simularão a quebra de um bloqueio chinês.

Milley disse que as relações entre os Estados Unidos e a China estavam em um “ponto muito baixo” e que as recentes reuniões diplomáticas, inclusive entre o secretário de Estado dos EUA, Antony Blinken, e o principal diplomata chinês, Wang Yi, eram importantes para reduzir as chances de uma escalada.

Milley disse que os Estados Unidos estavam analisando a necessidade de mudar a base de algumas de suas forças na Ásia-Pacífico.

A maioria das forças dos EUA na região está no nordeste da Ásia, incluindo 28.500 na Coreia do Sul e 56.000 soldados no Japão.

“Estamos analisando seriamente possíveis opções alternativas de base”, disse Milley.

Fonte: Agências

Talvez te interesse

Últimas

Anúncios Na manhã desta segunda-feira (22), uma operação policial foi realizada pelos Policiais Civis da Delegacia de Proteção Animal da...

Categorias