EUA incluem ex-presidente de Honduras em lista de corrupção

Os Estados Unidos revelaram nesta segunda-feira que incluíram em sua lista de “atores corruptos e antidemocráticos” do Triângulo Norte centro-americano o ex-presidente de Honduras Juan Orlando Hernández, antes mesmo de ele deixar o cargo, no mês passado.

O chefe da diplomacia americana, Antony Blinken, disse que Hernández foi incluído em 1º de julho de 2021 na lista de pessoas associadas à corrupção ou de abalar a democracia em El Salvador, Guatemala e Honduras, que por lei o Departamento de Estado deve reportar ao Congresso e geralmente os torna inelegíveis para visto e admissão em território americano.

“Os Estados Unidos promovem a transparência e prestação de contas na América Central ao tornarem públicas as restrições de visto contra o ex-presidente de Honduras devido a atos de corrupção”, tuitou Blinken. “Ninguém está acima da lei”, acrescentou.

Hernández, que deixou a Presidência de Honduras em 27 de janeiro após oito anos no poder, foi vinculado por promotores de Nova York ao narcotráfico. Seu irmão, o ex-deputado “Tony” Hernández, cumpre pena de prisão perpétua nos Estados Unidos por este crime. Os dois negam as acusações.

Em um comunicado, Blinken disse que “segundo múltiplas informações confiáveis da mídia”, Hernández “envolveu-se em corrupção significativa ao cometer ou facilitar atos de corrupção e narcotráfico, e, ao usar os lucros de atividades ilícitas para campanhas políticas”.

“Além disso, Hernández foi identificado por seu nome no depoimento de uma testemunha em declaração juramentada em um processo penal federal nos Estados Unidos por ter recebido dinheiro do narcotráfico como parte do financiamento da sua campanha”, acrescentou.

Promotores americanos se referem ao ex-presidente como um ‘co-conspirador’, embora não haja uma acusação formal contra ele.

JOH, como o ex-presidente hondurenho é conhecido por suas iniciais, diz que tudo se trata de vingança. Em novembro, ao apresentar um livro sobre sua gestão em Washington, referiu-se às acusações de uma “tsunami” de “mentiras”.

Após entregar o poder a Xiomara Castro, primeira mulher a presidir Honduras, Hernández foi empossado como deputado do Parlamento Centro-americano (Parlacen), um benefício ao qual têm direito todos os ex-presidentes da região ao deixarem o cargo, e que dá direito à imunidade.

O governo Joe Biden está determinado a combater a corrupção e promover o estado de Direito no Triângulo do Norte, que considera contribuírem para o êxodo de migrantes ilegais destes três países rumo à fronteira sul americana.

“Vamos continuar nos associando a funcionários do governo hondurenho e membros da sociedade civil e do setor privado, que mostrem dedicação para combater a corrupção e fortalecer a governabilidade democrática, inclusive como parte de uma política geral para abordar as causas profundas da migração irregular da região”, assegurou Blinken.

Ao assistir à posse de Castro, a vice-presidente americana, Kamala Harris, comemorou o compromisso da nova governante a combater a corrupção e a impunidade.

Castro prometeu desmontar leis aprovadas durante a gestão de Hernández, que diminuíram as penas por crimes de narcotráfico e corrupção.

Fonte: Yahoo!