EUA cancela diálogo com talibãs em Doha por fechamento de escolas para jovens afegãs

Os Estados Unidos cancelaram as discussões planejadas em Doha com o Talibã depois que os líderes islâmicos radicais do Afeganistão fecharam as escolas de ensino médio para mulheres, disseram autoridades americanas.

“Cancelamos alguns dos nossos compromissos, incluindo reuniões planejadas em Doha em meio ao Fórum de Doha e deixamos claro que vemos essa decisão como um potencial ponto de virada em nosso compromisso”, declarou Jalina Porter, porta-voz do Departamento de Estado.

O Fórum de Doha é realizado no sábado e domingo na capital do Catar.

Os talibãs, que tomaram o poder em agosto e buscam um reconhecimento internacional, fecharam as escolas de meninas nesta semana, poucas horas depois de reabri-las após ficarem sete meses fechadas.

“Esta decisão, se não for revertida rapidamente, prejudicará profundamente o povo afegão, as perspectivas de crescimento econômico do país e a ambição dos talibãs de melhorar suas relações com a comunidade internacional”, disse o porta-voz.

“Esta decisão, se não for revertida rapidamente, danificará profundamente o povo afegão, as perspectivas de crescimento econômico do país e a ambição dos talibãs de melhorar as relações com a comunidade internacional”, continuou.

“Apoiamos as meninas afegãs e suas famílias, que veem a educação como um caminho para desenvolver todo o potencial da sociedade e da economia do Afeganistão”, concluiu.

“Direito universal”

A embaixadora dos Emirados Árabes Unidos na ONU, Lana Nusseibeh, denunciou uma “decisão arbitrária” do novo governo afegão em uma declaração em nome de dez países “EAU, Noruega, Albânia, Brasil, França, Gabão, Irlanda, México, Reino Unido e Estados Unidos).

A decisão é “um retrocesso nos compromissos assumidos pelos próprios talibãs nas últimas semanas e meses” e “profundamente preocupante”, acrescentou.

A Alta Comissária das Nações Unidas para os Direitos Humanos, Michelle Bachelet, e a diretora-geral da Unesco, Audrey Azoulay, também denunciaram nos últimos dias a proibição de mulheres afegãs voltarem ao ensino médio.

Na quinta-feira, seis países ocidentais e a União Europeia (UE) emitiram uma declaração conjunta pedindo aos fundamentalistas islâmicos que “revertam urgentemente” sua decisão.

França, Itália, Noruega, Estados Unidos, Canadá e Reino Unido, bem como a Alta Representante da UE, alertaram que a decisão teria “consequências muito além de seu efeito prejudicial sobre as meninas afegãs” e poderia prejudicar a ambição do Afeganistão “de se tornar um membro respeitado da comunidade de nações”.

A Noruega sediou conversas em janeiro entre vários países ocidentais e o Talibã. Nessas reuniões, Cabul busca reconhecimento e financiamento internacional, enquanto o país está mergulhado em uma grave crise humanitária.

Desde que assumiu o poder, o Talibã restringiu severamente os direitos educacionais e trabalhistas das mulheres.

Fonte: Yahoo!