Enfermeiro fica ferido após ser atacado por paciente na UPA da zona norte em Marília

Uma jovem foi detida pela Polícia Militar no começo da manhã desta terça-feira (22) após atacar um enfermeiro na Unidade de Pronto Atendimento (UPA) da zona Norte em Marília (SP).

Segundo informações da ocorrência, a vítima sofreu um corte no braço e teve um tendão atingido. De acordo com a Secretaria de Saúde do município, o estado de saúde dele não é grave.

Ainda de acordo com a polícia, a jovem chegou na UPA em companhia de outras amigas.

A agressão teria sido motivada por uma suposta demora no atendimento de uma amiga da suspeita, que estava com o tornozelo torcido. A ocorrência ainda será registrada na Polícia Civil.

A UPA é gerida pela Associação Beneficente Hospital Unimar (ABHU) e a entidade emitiu uma nota sobre o ocorrido.

O incidente teria envolvido quatro jovens com idades entre 18 e 24 anos, diz a nota. Além da agressão contra o enfermeiro, uma cadeira de rodas teria sido levada pelo grupo depois da confusão, mas foi recuperada mais tarde.

“As moças chegaram por volta das 6h30, solicitando atendimento para um caso de ortopedia. Foi feita a ficha de entrada, sendo que as mesmas foram orientadas a aguardar a chamada. Como as mulheres ficaram do lado de fora do prédio, não ouviram a chamada pelo atendimento e por isso a ficha foi cancelada”, diz a nota.

“Posteriormente, ao saberem que a ficha havia sido cancelada, as quatro invadiram a sala da triagem e começaram a promover desordem. O segurança tentou conter as agressoras, com a ajuda dos demais funcionários. Um enfermeiro veio em socorro aos demais atendentes e acabou ferido com um golpe de faca no braço, desferido por uma das jovens”, completa o comunicado.

O ferimento, de acordo com a UPA, foi profundo e a vítima recebeu atendimento médico no Hospital das Clínicas da Faculdade de Medicina de Marília (HC/Famema).

Após a agressão, a PM foi chamada e conteve a suspeita ainda no local, conforme a nota da UPA.

Caso será registrado na Polícia Civil em Marília — Foto: Leonardo Moreno/ G1
Caso será registrado na Polícia Civil em Marília (Foto: Leonardo Moreno/ G1)

Fonte: G1