Dólar fecha em forte alta e termina a semana acima de R$ 3,95

AdSense Postagem 01

Postagem Única 01 Mobile

O dólar fechou em alta nesta sexta-feira (18) após chegar a R$ 3,95 pela primeira vez desde 2002, sucumbindo ao quadro local conturbado apesar de o Federal Reserve, banco central norte-americano, decidir manter a taxa de juros inalterada.

A moeda norte-americana subiu 1,95%, cotada a R$ 3,9582 maior nível desde outubro de 2002, segundo a Reuters.

Nas casas de câmbio, a cotação do dólar turismo chegou a R$ 4,40 nesta sexta.

Veja a cotação do dólar comercial ao longo do dia:

Às 9h49, caía 0,237%, a R$ 3,8716.

Às 10h10, subia 0,121%, a R$ 3,8869

Às 10h59, subia 0,6%, a R$ R$ 3,9057

Às 11h39, subia 0,74%, a R$ 3,9111

Às 12h19, subia 0,49%, a R$ 3,9013

Às 13h, subia 0,87%, a R$ 3,9161

Às 13h18, subia 1,05%, a R$ 3,9231

Às 14h14, subia 0,90%, a R$ 3,9171

Às 14h48, subia 1,07%, a R$ 3,9238

Às 15h03, subia 1,15%, a R$ 3,9268

Às 15h25, subia 1,42%, a R$ 3,9373

Às 16h, subia 1,47%, a R$ 3,9392

Às 16h15, subia 1,53%, a R$ 3,9417.

Na semana, a moeda subiu 2,09%. No mês e no ano, a moeda acumula alta de 9,13% e 48,88%, respectivamente.

No Brasil

A sessão também permaneceu sensível a incertezas ligadas ao campo político, conforme continuam as dificuldades para o governo federal dar início a um processo sólido de recuperação do quadro econômico. Investidores temem que o país perca o grau de investimento por outras agências internacionais de risco após ser rebaixado pela Standard and Poor’s (S&P).

“A situação no Brasil está muito complicada, então sempre que vê algum espaço, o mercado compra (dólares)”, disse à Reuters o superintendente de câmbio da corretora Intercam, Jaime Ferreira.

O mercado tem sido duramente pressionado por incertezas sobre o reequilíbrio das contas públicas e pelas turbulências políticas no Brasil.

Com isso, operadores deixavam em segundo plano a manutenção dos juros nos Estados Unidos, que tende a sustentar a atratividade de papéis de mercados emergentes. Analistas lembravam também que o quadro global difícil, uma das justificativas do Fed para não mudar a taxa, tende a afetar negativamente o humor em relação a países como o Brasil.

“A queda no exterior pode suavizar a pressão altista do dólar ante o real, mas os ruídos políticos…, a dificuldade da aprovação do pacote fiscal no Congresso e as manifestações pelo impeachment da presidente Dilma Rousseff devem manter o mercado agitado e volátil aqui”, escreveu o operador da corretora SLW João Paulo de Gracia Correa, segundo a Reuters.

Atuação do BC

Nesta manhã, o Banco Central brasileiro deu continuidade ao seu programa diário de interferência no câmbio e seguiu a rolagem dos swaps cambiais que vencem em outubro, vendendo a oferta total de até 9,45 mil contratos, equivalentes a venda futura de dólares. Ao todo, já rolou o equivalente a US$ 5,860 bilhões, ou cerca de 62%do lote total, que corresponde a US$ 9,458 bilhões.

Fonte: G1

Postagem Única 02 Mobile

Anunciantes