Dólar fecha em baixa e tem queda de mais de 4% na semana

AdSense Postagem 01

Postagem Única 01 Mobile

O dólar fechou em queda nesta sexta-feira (9), um dia após o Federal Reserve (Fed), banco central dos Estados Unidos, reforçar as expectativas dos investidores de que a taxa de juros norte-americana deve subir somente em 2016, mas com o mercado ainda atento à conturbada cena política e econômica no Brasil.

A moeda norte-americana terminou o dia vendida a R$ 3,7588, em baixa de 0,9%. Mais cedo, chegou a voltar a R$ 3,72. Na semana, o dólar caiu 4,74%..

Este foi o menor valor de fechamento desde 1º de setembro, quando a moeda terminou o dia a R$ 3,688. Em outubro, há queda acumulada de 5,21% e no ano, valorização de 41,38%.

Acompanhe a cotação ao longo do dia

Às 9h10, queda de 0,87%, a R$ 3,76

Às 9h20, queda de 1,23%, a R$ 3,7466

Às 10h, queda de 1,41%, a R$ 3,7397

Às 10h20, queda de 0,85%, a R$ 3,761

Às 10h50, queda de 0,9%, a R$ 3,7589

Às 11h20, queda de 0,81%, a R$ 3,7623

Às 11h40, queda de 1,46%, a R$ 3,7376

Às 12h20, queda de 1,75%, a R$ 3,7266

Às 12h49, queda de 1,23%, a R$ 3,7466

Às 13h44, queda de 1,06%, a R$ 3,7566

Às 14h07, queda de 0,93%, a R$ 3,7577

Às 14h30, queda de 0,94% a R$ 3,7573

Às 15h09, queda de 1,14% a R$ 3,7498

Às 15h30, queda de 1,21% a R$ 3,7473

Às 16h15, queda de 1,08% a R$ 3,7521

Economia americana

Na quinta, o Fed divulgou a ata da reunião de setembro do Comitê Federal de Mercado Aberto (Fomc, na sigla em inglês), quando o país manteve os juros quase zerados.

Para os investidores, o documento reforçou indícios de que os juros só vão subir nos EUA em março de 2016, segundo a Reuters. Ele mostrou que, para o Fed, a economia estava próxima de justificar aumento de juros no mês passado, mas integrantes decidiram que era prudente esperar por evidências de que a desaceleração da economia global não está tirando os EUA dos trilhos.

A perspectiva de manutenção dos juros sustenta a atratividade de investimentos em países emergentes, que oferecem taxas mais altas, como o Brasil.

Caso os EUA aumentassem as taxas, mais investidores seriam atraídos para aquele país, tirando dólares de outros mercados. Com maior demanda pela moeda norte-americana, seu valor subiria em relação a moedas como o real.

No Brasil

Apesar da queda expressiva nesta sexta, as incertezas políticas locais seguiam no radar dos investidores, com potencial de voltar a pressionar o dólar.

Entre elas, a análise dos vetos presidenciais pelo Congresso Nacional, adiada duas vezes esta semana por falta de quórum, e a apreciação também pelo Legislativo a rejeição das contas públicas de 2014 feita pelo Tribunal de Contas da União (TCU), que abre espaço para eventual processo de impeachment da presidente Dilma Rousseff.

“Não dá para saber até quando essa queda (do dólar) se sustenta”, disse à Reuters o operador de câmbio da B&T Corretora Marcos Trabbold. “Se piorar muito, a tendência é voltar tudo”, disse, referindo-se à cotação no patamar de R$ 4.

Nesta manhã, o Banco Central deu continuidade ao seu programa diário de interferência no câmbio, seguindo a rolagem dos swaps cambiais que vencem em novembro, com oferta de até 10.275 contratos, que equivalem à venda futura de dólares.

Fonte: G1

Postagem Única 02 Mobile

Anunciantes