Conar abre processo para julgar ‘Luis Augusto’ em propaganda da Sadia

Conar abre processo para julgar ‘Luis Augusto’ em propaganda da Sadia (Foto: Reprodução)

A polêmia sobre o uso do nome próprio “Luis Augusto” em propaganda da Sadia provocou a abertura de um processo no Conar (Conselho Nacional de Autorregulamentação Publicitária). O órgão informou que foram recebidas mais de 130 reclamações de consumidores, a maioria de pessoas que se chamam “Luis Augusto” ou de pais de “Luizes Augustos” que não acharam a menor graça na brincadeira.

De acordo com as queixas feitas ao Conar, o comercial é ofensivo e desrespeitoso, e estimula o bullying ao associar o nome “Luis Augusto” a um produto de baixa qualidade e objeto de rejeição.

O processo foi aberto no dia 19, segundo a assessoria de imprensa do Conar, e a previsão é que a campanha seja julgada apenas em setembro. Até lá, o comercial poderá continuar sendo veiculado normalmente.

Na campanha, lançada no dia 15 de julho, uma cliente pede presunto e o atendente pergunta se ela vai querer o Sadia ou o Luís Augusto, “que está aqui há um tempão” e “não tem saída” e “virou Luís Augusto”.

Assista ao filme da campanha da Sadia

A propaganda foi gerou reclamações e protestos nas páginas da marca nas redes sociais, além de ameaças de processo na Justiça.

No canal da marca no YouTube, a propaganda já teve mais de 1,6 milhão de visualizações, tendo recebido até as 14h30 desta segunda-feira,  635 “likes” e 427 “dislikes”.

Em resposta padrão aos consumidores em sua página no Facebook, a Sadia afirma que “o nome é só uma escolha criativa pra acompanhar o bom humor da Sadia em suas campanhas”. “O único Luis Augusto que nos referimos é o Presunto, os outros são tops”, completa a marca.

Sadia fala em ‘mera coincidência’ 

Procurada pelo G1, a Sadia enviou a seguinte nota:

“A Sadia esclarece que, como obra de ficção, as semelhanças e a escolha do nome Luís Augusto para a campanha são mera coincidência, à exemplo do que já observamos na teledramaturgia. Portanto, o filme segue o mesmo tom irreverente e característico das campanhas publicitárias da marca, como o clássico bordão “Nem a pau, Juvenal” ou quando o fatiador de frios oferece um tijolo ao consumidor, que pediu para “dar uma olhadinha” no presunto que não era da marca Sadia. Líder na categoria de presunto no País, o principal objetivo da ação é ressaltar a alta qualidade do produto da marca, que tem expertise no segmento e excelência no processo de produção”, afirma a marca.

No dia 22, a Sadia lançou uma sequência da propaganda, na qual responde à polêmica e coloca até um rosto no presunto “Luis Augusto” e diz que “não é pessoal”. Assista ao filme

Sequência de campanha da Saida traz presunto "Luis Augusto" com rosto (Foto: Reprodução/YouTube)Sequência de campanha da Saida traz presunto “Luis Augusto” com rosto (Foto: Reprodução/YouTube)

No ano passado, o Conar suspendeu a propaganda “Ode à comida”, após denúncia de plágio feita pela Vigor, em meio a meio a chamada “guerra dos presuntos”, travada pelas gigantes do setor alimentício BRF (das marcas Sadia e Perdigão) e o grupo JBS (das marcas Friboi, Seara e Vigor).

Como funciona o Conar

As medidas do Conar não têm força de lei e o conselho não tem poder de determinar multas. Mas, regra regral, as decisões recomendando alterações ou retirada da propaganda do ar costumam ser sempre atendidas pelos anunciantes e agências de publicidade. O órgão informa que desde a sua fundação, em 1978, já instaurou mais de 9 mil processos éticos, que nunca foi desrespeitado pelos veículos de comunicação e que “nas raras vezes em que foi questionado na Justiça, saiu-se vitorioso”.

O Conar abre processos a partir de denúncias de consumidores, autoridades, anunciantes, dos seus associados ou ainda formuladas pela própria diretoria.

Se a denúncia tiver procedência, o Conselho de Ética do órgão Conar recomenda aos veículos de comunicação a suspensão da exibição da peça ou sugere correções à propaganda. Pode ainda advertir anunciante e agência.

Os casos costumam levar mais de um mês para serem julgados. Mas o Conar pode recomendar a sustação imediata nas situações de infração flagrante ao Código Brasileiro de Autorregulamentação Publicitária.

O Conselho de Ética está dividido em oito Câmara, sediadas em São Paulo, Rio, Brasília, Porto Alegre e Recife e é formado por 180 conselheiros, recrutados entre profissionais de publicidade e representantes da sociedade civil.

Fonte: G1

Scroll Up