Campeonato Brasileiro feminino chega a sua décima edição

Criado em 2013 para substituir a extinta Taça Brasil que teve 21 edições entre 1983 e 2007, o Campeonato Brasileiro de futebol feminino chega neste ano à sua décima edição com este nome e formato. 

Em oito das nove edições disputadas anteriormente, o título ficou com equipes paulistas: Centro Olímpico, em 2013, Ferroviária em 2014 e 2019, Rio Preto, em 2015, Santos, em 2017, e Corinthians em 2018, 2020 e 2021. 

A única equipe de fora de São Paulo a ter sido campeã é o Flamengo, que venceu a edição de 2016.

Diferentemente da primeira edição, na qual todas as equipes eram amadoras, em 2022 nove das 16 participantes são profissionais, enquanto duas são semi-profissionais – restando apenas quatro times amadores. Com o profissionalismo, os times conseguem atrair e manter jogadoras melhores, de nível de seleção, e o campeonato torna-se mais chamativo para maiores audiências.

O profissionalismo também tem aumentado fora de campo, com transmissões melhores e mais acessíveis, crescimento substancial nas redes sociais, mais patrocínios e até mesmo com a implementação do VAR. 

O crescimento da atenção e do engajamento do público em relação ao futebol feminino no Brasil tem sido constante nos últimos anos, com maiores públicos nas partidas, mais transmissões e audiências nas TVs abertas e fechada, e também pela internet, e até um crescimento de apostas nas casas digitais onde atualmente o futebol das mulheres convive com os novos jogos de cassino e os velhos “queridinhos” de sempre, como futebol, basquete, tênis e automobilismo. 

Corinthians, a equipe a ser batida 

Campeão de três das últimas quatro edições do Brasileiro, e também atual tricampeão paulista, o Corinthians é indiscutivelmente o time a ser vencido nesta edição do principal torneio do futebol feminino nacional. 

Com 307 gols nas nove edições anteriores, é disparada a equipe que mais marcou na história da competição – o Santos, segundo colocado, tem 238.

O time segue sendo comandado pelo multicampeão Arthur Elias, e tendo jogadoras de destaque como Gabi Zanotti e Tamires, mas perdeu algumas de suas estrelas, como Vic Albuquerque, Andressinha e Cacau, e pode perder ter sua hegemonia impressionante demonstrada nas últimas temporadas ameaçada. 

Outras favoritas 

Para disputar a ponta da tabela com o Corinthians, Ferroviária, Internacional e Palmeiras despontam como principais concorrentes. Destas, a Ferroviária é a que tem mais tradição na modalidade, já tendo obtido duas taças e sendo presença constante em competições internacionais como a Libertadores.

Para 2022, o time contratou jogadoras de destaque na América do Sul, como a meia Fany Guato e a atacante Joemar Guarecuco, que farão companhia à camisa 10 Aline Milene e outras jogadoras importantes. 

Já o time do Internacional, comandado por Maurício Salgado, pretende ampliar sua hegemonia para além das fronteiras do Rio Grande do Sul, onde conquistou quatro das últimas cinco edições do campeonato estadual. Reforços importantes, como a atacante Milene, que já foi artilheira da competição pelo Corinthians e estava lesionada, atuarão ao lado de antigas estrelas, como Fabi Simões, e novas promessas, como a goleira May, de 20 anos. 

Outra equipe fortíssima nesta disputa é o Palmeiras, que obteve a segunda colocação em 2021 e se reforçou trazendo jogadoras como Andressinha e, principalmente, a artilheira Bia Zaneratto, agora contratada em definitivo.

Veteranas seguem brilhando 

Além de destacar as equipes favoritas, não poderíamos deixar de lembrar outro aspecto fundamental para a visibilidade e importância do Campeonato Brasileiro de futebol feminino: a presença de jogadoras históricas na modalidade como, principalmente, Formiga e Cristiane. 

Com trajetórias que dispensam apresentação, a volante Formiga e a Atacante Cristiane voltam a disputar uma edição de campeonato nacional desta vez por São Paulo e Santos, respectivamente, e só suas presenças em campo com certeza já são suficientes para garantir arquibancadas cheias nos estádios e audiências altas nas transmissões. 


Regulamento

O campeonato deste ano seguirá o mesmo formato das edições passadas, com 16 clubes se enfrentando em turno único, a partir do qual se classificam oito para a fase de mata-mata. Os quatro últimos são rebaixados para a segunda divisão, e campeão e vice garantem vaga na Libertadores da América.

Volta do público

Como um atrativo extra, o Campeonato Brasileiro vive a expectativa da volta do público às partidas de futebol feminino, o que não acontece desde a final da edição de 2019 – os campeonatos de 2020 e 2021, vencidos pelo Corinthians, foram disputados sem presença de público por conta da pandemia do novocoronavírus. 

O recorde de público na competição é ocupado pelos torcedores e torcedoras do Amazonas, com a semifinal do campeonato de 2017, entre Iranduba e Santos, tendo sido acompanhada por 25.371 espectadores.

O maior público já registrado em uma partida local de futebol feminino aconteceu na final do Campeonato Paulista, na qual o Corinthians venceu o São Paulo por 3 a 1 na NeoQuímica Arena, com 30.077 pessoas presentes.