Brasil sai da ‘lista vermelha’ da covid na Inglaterra e vacinados não precisam cumprir quarentena

O Brasil saiu da “lista vermelha” para covid-19 da Inglaterra nesta quinta-feira (7). Agora, viajantes vacinados não terão que ficar em quarentena em hotéis. A nova regra passa a valer a partir de segunda-feira (11).

O governo inglês divulgou uma lista de 47 países cujos viajantes completamente vacinados terão apenas de apresentar um teste negativo para a doença para entrar no país.

No entanto, o mesmo comunicado reforça que aqueles que não tiverem com o esquema vacinal completo terão de passar 10 dias em isolamento, que não precisa ser em um dos hotéis vinculados ao governo.

Além disso, vacinados oriundos do Brasil serão reconhecidos como qualquer pessoa britânica dentro do país. A condição é que estejam imunizados há pelo menos duas semanas com as vacinas da Oxford/Astrazeneca, Pfizer/BioNTech, Moderna ou Janssen. A Coronavac, um dos imunizantes mais aplicados no Brasil, não está na lista.

A nova determinação é válida somente na Inglaterra e não se aplica a outros países do Reino Unido. O Brasil segue na “lista vermelha” da Escócia, País de Gales e Irlanda do Norte.

O documento inaugura a reabertura da Inglaterra para viajantes comuns. Até agora, o país só permitia que cidadãos britânicos ou estrangeiros residentes passar, com restrições, por seu território.

Para ir à Inglaterra, o país exige que todos os passageiros maiores de 11 anos realizem um teste de covid-19 nas 72 horas anteriores ao embarque.

O brasileiro que quiser comprovar a vacinação precisa de um certificado fornecido pelo Ministério da Saúde, que oferece opções em inglês e espanhol. A Inglaterra exige que o documento tenha, de forma clara, nome e sobrenome do viajante, sua data de nascimento, marca e fabricante da vacina que recebeu, data de vacinação de cada uma das doses e indicação do país ou território em que a vacina foi aplicada.

No momento, o Ministério da Saúde só está emitindo o certificado, que pode ser acessado via aplicativo ConecteSUS, para quem tomou dose única ou duas doses da mesma vacina. Ou seja, aqueles que tiveram uma imuniza heteróloga – recebeu cada dose de um fabricante – ainda não consegue emitir o documento.

Fonte: Yahoo!

Scroll Up