Brasil bate França e garante 1º lugar da chave no Mundial de Handebol

Já garantida nas oitavas de final da competição com uma rodada de antecedência, depois de um empate e três vitórias na primeira fase, a Seleção Brasileira feminina de handebol entrou em quadra na tarde desta sexta para encarar a França e só confirmar a posição na chave. O gol da capitã Dara, no último lance da partida, garantiu a vitória por 21 a 20 e, consequentemente, o primeiro lugar da chave.

Já no último minuto do jogo, após o Brasil abrir vantagem graças a um tiro de sete metros, a França conseguiu o empate em jogada pelas pontas. Nos dez segundos finais, um último lance deu a vitória ao Brasil. A goleira Babi repôs a bola rapidamente e Dara, do meio da quadra, arremessou de cobertura para marcar o gol da vitória do Brasil.

A liderança deu ao Brasil a condição de ter um dia a mais de descanso antes do início das fases eliminatórias do Mundial. Com confronto contra a Romênia marcado para segunda-feira, a equipe poderá recuperar as jogadoras durante o fim de semana para começar firme na defesa pelo título a partir da próxima semana.

Disputado em Kolding, na Dinamarca, assim como os outros duelos do Grupo C do Mundial, o jogo envolveu as duas líderes da chave, equipes já classificadas às oitavas. Mas se engana aquele que, por se tratar de duas seleções garantidas, pensou que a partida não traria emoções.

Nos primeiros dez minutos de partida, as comandadas de Morten Soubak impuseram um estilo agressivo de jogo e, com passes precisos e infiltrações, conseguiram abrir diferença de 5 a 2. Depois da parada técnica, as francesas recompuseram a marcação e diminuíram os espaços, conseguindo deixar a diferença em apenas dois pontos antes do intervalo.

O placar de 11 a 9 a favor do Brasil estampado na volta do intervalo ficou mais parelho com o decorrer da segunda etapa de jogo. Tamanha a aplicação tática francesa para frear as atuais campeãs mundiais que, a quinze minutos do apito final, o jogo tinha virado em 16 a 15 para as adversárias.

Os dez minutos finais foram disputados de forma intensa. Determinadas a irem ao ataque, as duas seleções forçaram a troca de passes na entrada da área e o arremesso à média distância. As faltas também surgiram como estratégia para quebrar as linhas de passe, o que tornou a partida mais truncada, com menos bola rolando.

O confronto já certo contra a Romênia, na segunda-feira, fará o Brasil desviar o caminho de seus algozes recentes. Outras classificadas às oitavas no Grupo D, a seleções da Noruega e da Espanha guardam boas lembranças do handebol feminino do Brasil.

Em 2011, no Mundial disputado em São Paulo, a Espanha desclassificou as donas da casa nas quartas de final. Um ano depois, nos Jogos Olímpicos de Londres, a Noruega também fez o Brasil de vítima na corrida rumo ao título.

Fonte: Yahoo!

Scroll Up