Botucatu: Mãe de Helena faz desabafo emocionante no Dia das Mães. “Sou aquela mãe que não pode abraçar todos os filhos e tenho que me contentar com alguns abraços imaginários”

Neste domingo, 08 de maio, Dia das Mães, Jocimaria Oliveira Sales, mão da menina Helena, que faleceu no mês de março, após ter sido atendida e liberada do Pronto Socorro Municipal Infantil de Botucatu, fez mais uma emocionante desabafo sobre a data e o óbito da sua filha.

Ainda em busca de justiça pela morte de Helena, ao lado do pai da menina, Christian Luis Sales, Jocimaria está organizando uma “Passeata Pela Vida – A Saúde de Botucatu Pede Socorro” para o dia 14 de maio. A concentração será às 19h30, em frente ao Portão do Cemitério Portal das Cruzes. Os manifestantes irão descer a Avenida Dom Lúcio até o Largo da Catedral.

Mãe de outras duas crianças, Jocimaria destacou. “Eu sou aquela mãe que não pode abraçar todos os filhos e tenho que me contentar com alguns abraços imaginários”.

Leia abaixo toda a postagem da mãe:

“Eu sou aquela mãe que tinha mil planos para o dia de hoje mas estou tendo que viver uma realidade bem longe do que gostaria…

Eu sou aquela mãe que não pode abraçar todos os filhos e tenho que me contentar com alguns abraços imaginários

Eu sou aquela mãe que já fez planos para uma vida inteira com o filho mas saiu do Hospital de braços vazios e com uma notícia que não gostaria de ouvir

Eu sou aquela mãe que deveria estar amamentando de madrugada e não secando as próprias lágrimas de saudade

Eu sou aquela mãe que deveria estar trocando fraldas, dando banhos e arrumando um bebê e não sonhando acordada e vivendo de lembranças com uma roupinha na mão, enquanto os olhos choram por aquilo que não pude viver

Eu sou aquela mãe que deveria estar ouvindo hoje ‘Feliz Dia das Mães’ e não as tão duras palavras de quem não entende o que é perde um filho.

Eu sou aquela mãe que todos admiram, mas ninguém queria estar no meu lugar

Eu sou aquela mãe que teve que aprender da pior maneira que amor de mãe existe na presença e na ausência e que conseguimos tranquilamente amar com um céu de distância, aliás aprendi que um céu de distância que parece tão longe é tão pertinho quando estou pensando nela

Sou aquela mãe apontada como guerreira por uns e a louca em luto por outros

Sou aquela mãe que todos dizem que estou em depressão e sou louca só porque faço questão de falar da minha filha

Sou aquela mãe que tenho que lutar todos os dias para que a memória da minha filha seja preservada e não se esqueçam da história dela

Eu sou aquela mãe de colo meio vazio, mas com o coração cheio de amor e a certeza de que eu sempre serei mãe dela, ainda que você não me veja assim

Esse direito, esse sentimento e esse amor ninguém nunca poderá tirar de mim…

Posso ser uma mãe um pouco diferente, mas se você olhar no fundo dos meus olhos poderá enxergar todo amor que tenho guardado para alguém que ficou tão pouco tempo, mas estará nas minhas lembranças para sempre

Eu sempre serei mãe do anjinho mais lindo do céu. Helena, amor além da vida!”

Jornal Leia Notícias