Botucatu: Laudo do IML aponta para erro no atendimento do PS Infantil na morte de Helena. “O que matou a Helena estava com ela na hora do atendimento”

Mais de 20 dias após a morte da menina Helena Oliveira Sales, de 4 meses, que faleceu no dia 17 março, após passar por atendimento na noite do dia 16 no Pronto Socorro Infantil Municipal, saiu o resultado do laudo do IML, que aponta para negligência médica, erro no atendimento da menina, e descarta a hipótese divulgada pelo próprio Prefeito Mário Pardini, em entrevistas de rádio, que Helena poderia ter morrido após engasgar com o leite ou algum líquido.

“O que foi dito pelo Prefeito Pardini em entrevistas, que a Helena poderia ter morrido por ter aspirado algum liquido, já está mais do que provado que não foi isso que aconteceu. A menina tinha uma doença e não foi cuidada como deveria”, disse um representante da família à reportagem, após ele ter acesso ao laudo do IML.

O laudo do IML, que foi liberado para a delegacia de Polícia, sugere que a causa da morte da bebê, de apenas 4 meses, foi negligência médica no Pronto Socorro Infantil Municipal de Botucatu.

“A Helena não morreu por algo que foi causado entre os dias 16 e 17 de março, ou seja, quando ela foi atendida no Pronto Socorro Infantil e o tempo que mandaram ela embora para casa. Nesse espaço, entre o atendimento e o óbito, ela não sofreu nada. O que matou a Helena estava com ela na hora do atendimento”.

O laudo do IML aponta que Helena foi liberada do PS Infantil Municipal com o pulmão comprometido, com a frequência respiratória fora do padrão. “Não foi feito o exame para conferir a oximetria no sangue, fizeram apenas de forma mecânica. Quando viram a frequência respiratória irregular, deveriam ter feito exame no sangue”, explicou o representante da família, que completou. “O laudo sugere que houve erro médico no atendimento dela”.

Desta forma, com o indício de erro, apontado pelo laudo do IML, a Polícia Civil de Botucatu irá instaurar um inquérito policial para ouvir todas as partes, como os pais da menina, Jocimaria Oliveira Sales e Christian Luis Sales, a médica que fez o atendimento, o ex-secretário municipal de Saúde, Dr. André Spadaro, que era o responsável pela saúde de Botucatu na época, e outras pessoas que possam colaborar com a investigação.

Depois, a Polícia encaminha o caso ao Ministério Público, que avalias as provas apresentadas e decide sobre a denúncia.

Os pais de Helena seguem nas redes sociais pedindo justiça pela morte da sua filha. Jocimaria Oliveira Sales e Christian Luis Sales criaram a página Justiça por Helena, e lá também estão denunciando diariamente irregularidades e problemas enfrentados por outros pais em relação a atendimento na Saúde municipal de Botucatu.

LEMBRE DO CASO

Jornal Leia Notícias