Assembleia Nacional da França recusa asilo a Assange

A Assembleia Nacional da França rejeitou nesta sexta-feira (4) uma proposta de resolução multipartidária para convidar o governo a conceder refúgio no país ao fundador da organização midiática internacional Wikileaks, Julian Assange, detido em Londres e ameaçado de extradição para os Estados Unidos por divulgar ilegalmente documentos confidenciais.

Os deputados franceses votaram contra a resolução por 31 a 17, a despeito da veemência dos oradores em favor de Assange. Apesar da rejeição, a deputada Jennifer de Temmerman disse que a votação foi “uma vitória”. “Demos voz a quem não tinha”, comentou.

Assange, 50 anos, está preso no Reino Unido desde 2019, depois de passar sete anos como refugiado na embaixada do Equador em Londres. A resolução foi votada dias depois de um acordo entre a Assembleia Nacional e o Senado sobre um projeto de lei para melhorar a proteção de denunciantes na França.

Assange é procurado pela Justiça dos Estados Unidos sob a acusação de violar leis antiespionagem. Ele pode receber uma pena de até 175 anos de prisão pela publicação, em 2010, de cerca de 700 mil documentos diplomáticos e militares secretos relacionados principalmente às guerras lideradas pelos Estados Unidos no Afeganistão e no Iraque. “Ele denunciou ações bárbaras e abusos indescritíveis que não foram divulgados”, ressaltou o deputado comunista Stéphane Peu.

Entre os legisladores que rejeitaram o texto, alguns argumentaram que a resolução apresentava “pontos conflitantes” de ordens jurídica e diplomática.

Fonte: Yahoo!