Ações da Embraer têm salto na bolsa com encomenda bilionária de empresa de Warren Buffett

As ações da Embraer tiveram alta de 5% nesta segunda-feira (11) ao anunciar uma encomenda bilionária de jatos da companhia aérea da Berkshire Hathaway, empresa de investimentos de Warren Buffett. Foi uma das maiores altas de hoje do Ibovespa, principal índice da bolsa de valores de São Paulo, a B3.

A Embraer afirma que terminou a entrega de 100 jatos executivos Phenom 300 à NetJets, que fez um pedido de até 100 aeronaves adicionais, somando mais de US$ 1,2 bilhão. O primeiro acordo entre as empresas foi assinado em 2010.

Em comunicado, a fabricante brasileira afirmou que a NetJets começará a receber as encomendas no segundo trimestre de 2023, para operação nos Estados Unidos e na Europa.

“Com este novo pedido, que inclui um abrangente contrato de serviços, a NetJets não apenas reforça seu compromisso em criar uma experiência aprimorada para o cliente, à medida que a demanda por aviação privada continua a crescer, mas também sua confiança no inovador portfólio da Embraer para oferecer a experiência perfeita a seus clientes”, diz nota da empresa.

O Phenom 300 é um jato executivo de ocupação máxima de 10 passageiros. Originalmente lançado em 2005, o modelo entrou no mercado em 2008. Liderando o segmento de jatos leves desde 2012, o jato tem sido o avião executivo mais entregue do mundo desde 2013.

Segundo a Embraer, um em cada quatro jatos de pequeno e médio porte entregues no mundo era da família Phenom ou Praetor em 2020. A empresa entregou mais de 1.500 aeronaves do tipo em mais de 80 países.

Recuperação em curso

Em 2021, a Embraer acumula valorização de mais de 190% na bolsa após ano difícil de impacto da pandemia do coronavírus, que afetou todo o setor aéreo. O impulso vem do aumento na demanda por viagens.

No segundo trimestre, a empresa registrou lucro líquido ajustado de R$ 212,8 milhões, primeiro lucro recorrente da companhia desde o primeiro trimestre de 2018.

Em igual período do ano passado, a Embraer havia reportado prejuízo de R$ 1,071 bilhão, em momento em que lutava para reestruturar operações para enfrentar a pandemia e o fracasso de um acordo de 4 bilhões de dólares com a Boeing, destaca a Reuters.

O resultado ajustado exclui impostos diferidos e itens especiais. Já o lucro líquido atribuído aos acionistas totalizou R$ 438,1 milhões no 2º trimestre, contra prejuízo de R$ 1,68 bilhão no mesmo período de 2020 e prejuízo de R$ 489,8 milhões nos 3 primeiros meses de 2021.

A receita líquida ais que dobrou e atingiu R$ 5,9 bilhões no período entre abril e junho, com aumento de 107% em relação ao 2º trimestre do ano passado.

Fonte: G1

Scroll Up