7 comidas típicas que só podem ser encontradas no Centro-Oeste brasileiro

O Centro-Oeste é a segunda maior região do Brasil em termos territoriais, perdendo apenas para o Norte. Formada por apenas três estados — Goiás, Mato Grosso e Mato Grosso do Sul — além do Distrito Federal, essa área é marcada pela diversidade de vegetação, indo do cerrado até a floresta amazônica.

Outro destaque do Centro-Oeste é a gastronomia da região. A riqueza das comidas está muito atrelada aos alimentos que, praticamente, só são encontrados por lá. O pequi, por exemplo, é uma das frutas simbólicas das terras goianas, fazendo parte de pratos bem populares, como a galinhada e o arroz com pequi.

Além disso, tal gastronomia tem uma forte influência da herança de seus primeiros povos, os nativos indígenas e, posteriormente, os bandeirantes. A localização é um dos maiores influenciadores na gastronomia da região Centro-Oeste.

Essa é a única região que não tem nenhum contato com o mar. Em contrapartida, a diversidade de biomas faz com que alimentos bem característicos sejam usados nos pratos. Animais de caça, peixes de água doce e frutas nativas da região, como o pequi, são exemplos daquilo que faz toda a diferença na culinária do Centro-Oeste.

Arroz com pequi

O pequi é uma fruta supercaracterística da região Centro-Oeste, usada de diferentes formas — desde doces até o famoso arroz com pequi. Para tanto, é preciso retirar cuidadosamente a sua saborosa polpa, já que, dentro dele, há caroço cheio de espinhos que podem machucar os degustadores desavisados.

Nessa receita, o pequi deve ser refogado com óleo e temperos, como alho e cebola, até conseguir uma textura macia. Depois, acrescente arroz, sal e pimenta — imprescindível em receitas regionais —, cozinhando mais um pouco. O resultado é um prato colorido e superssaboroso.

Bolinho de arroz

Facilmente encontrado em Goiás e Cuiabá (MT), o bolinho de arroz é um petisco bem popular na região, mas que leva alguns ingredientes que dão um toque diferenciado à comida.

O arroz precisa ficar de molho por, pelo menos, um dia para, só depois, ser macerado, já seco, no pilão até virar uma farinha. Depois, misture com mingau de mandioca, açúcar e água. Em seguida, acrescenta-se coco, manteiga, fermento e canela, deixando descansar. Alguns minutinhos no forno e você terá essa delícia!

Caldo de piranha

Esse é um dos pratos mais comuns na região de Mato Grosso do Sul, principalmente para esquentar o frio quando as temperaturas caem. O preparo também é longo, durando cerca de seis horas, desde a marinagem do peixe, primeiro cozimento, retirada das espinhas e cozimento junto a tomate, cebola e temperos.

Capivara na caçarola

Uma das diferenças da culinária do Centro-Oeste é o uso de carnes exóticas nos seus pratos. A carne de capivara é uma delas. A receita leva o lombo do animal, que deve ser cortado em grandes porções, acrescido de bacon, besuntado com uma pasta de alho, cebola e demais temperos.

Para que a carne absorva bem os ingredientes, ela deve descansar por seis horas. Enquanto isso, prepara-se a “vinha dália” — uma mistura de vinagre, alho e sal que será usada para “regar” a carne durante o processo de cocção, em uma caçarola grande.

Caribéu

Uma das comidas preferidas do chamado “homem pantaneiro”, sem dúvidas, é o caribéu, uma deliciosa mistura de carne seca e mandioca. O alimento é cortado em pequenos pedaços, misturado na panela com cebola e alho.

Depois de refogar, acrescenta-se a mandioca também em pedaços pequenos, junto aos temperos, como pimenta-bode, coentro, cebolinha e salsa. Depois, acrescenta-se água quente para cozinhar tudo, resultando numa verdadeira maravilha para o paladar.

Furrundu

Você pode nunca ter ouvido falar, mas o furrundu é um dos doces típicos da região do pantanal mato-grossense e da baixada cuiabana. A receita leva mamão verde ralado, rapadura e canela, resultando em uma sobremesa de sabor único.

Sopa paraguaia

Apesar do nome, a sopa paraguaia, na verdade, é uma torta salgada, muito popular em toda a região de fronteira entre Brasil e Paraguai. A massa é feita de farinha de milho e queijo, praticamente um bolo de milho em uma versão salgada. Pode ser recheado, por exemplo, com verduras ou carne seca.

Conteúdo produzido para o Jornal Leia Notícias