Universidade dos EUA adota aulas à distância por ameaça de ataque

Uma universidade americana teve que adotar aulas em formato remoto nesta terça-feira (1) depois que um ex-professor de filosofia divulgou um vídeo no qual parecia ameaçar o campus com um ataque a tiros.

A Universidade da Califórnia em Los Angeles (UCLA) informou a seus 44.500 alunos que as aulas teriam que ser realizadas virtualmente depois que Matthew Harris postou um discurso de 800 páginas e um vídeo na internet.

Harris foi detido em Boulder, Califórnia, disse à imprensa a chefe de polícia, Maris Herold.

“Depois de revisar trechos do manifesto, identificamos milhares de referências violentas, afirmando coisas como assassinatos, morte, tiros, bombas, massacres no campus em Boulder”, acrescentou.

“O nível de violência que vimos no manifesto era obviamente alarmante. Ainda não cruzamos as informações entre estados e, por isso, temos parceiros na esfera federal revisando isto em detalhes. Mas posso dizer-lhes que era muito violento, muito perturbador”, emendou.

De acordo com a publicação estudantil Daily Bruin, a polícia da universidade começou a investigar Harris depois que ele enviou mensagens a várias pessoas do departamento de filosofia.

Estas mensagens incluíam um link para o vídeo intitulado “Filosofia UCLA (tiroteio)”, além das 800 páginas onde estavam as ameaças.

Harris estava de licença administrativa desde o ano passado após ter sido acusado de enviar um vídeo com conteúdo pornográfico a uma estudante, noticiou o Daily Bruin.

Os ataques a tiros, particularmente em escolas, shopping centers e locais de culto, são um problema recorrente nos Estados Unidos, que vários governos não conseguiram conter.

Apesar de a opinião pública apoiar, em sua maioria, um controle mais estrito para a posse e o porte de armas de fogo, as tentativas de limitar o acesso às armas de fogo são, frequentemente, aplacados pelo poderoso lobby pró-armas, argumentando que se trata de um direito constitucional.

A violência com armas de fogo matou mais de 44.000 pessoas nos Estados Unidos em 2021, incluindo suicídios, segundo a entidade sem fins lucrativos Arquivo da Violência Armada.

Fonte: Yahoo!