UE analisa proposta para desbloquear sexto pacote de sanções contra Rússia

Os representantes dos 27 países membros da União Europeia (UE) vão analisar neste domingo (29) uma proposta para desbloquear o sexto pacote de sanções contra a Rússia, cuja principal medida é um embargo petrolífero até ao final do ano, segundo fontes europeias.

A Hungria, um país sem acesso ao mar, bloqueia essas novas sanções, pois depende do petróleo da Rússia através do oleoduto Druzhba, que fornece 65% de seu consumo. A proposta inicial da UE incluía uma derrogação especial para a Hungria e a Eslováquia, até o final de 2023.

No entanto, ambos os países consideraram o prazo insuficiente e exigiram pelo menos quatro anos, em uma ação judicial que também contou com a participação da República Tcheca. Para adotar as sanções, é necessária a unanimidade dos 27 membros.

A solução que está sendo discutida em Bruxelas neste domingo seria excluir Druzhba do embargo de petróleo para limitar as sanções ao fornecimento de petróleo por navio, segundo fontes europeias.

Dois terços do abastecimento de petróleo russo à UE são transportados por caminhões-tanque e um terço por este oleoduto. A proposta permitiria o prosseguimento da sexta bateria de sanções da UE, que está em discussão desde o início de maio.

Este embargo às entregas por via marítima implicaria ao fim das compras de petróleo no prazo de seis meses e de produtos petrolíferos no final do ano. O pacote também inclui novas sanções contra bancos russos e a extensão da lista negativa da UE a novas personalidades russas.

Outra opção a ser considerada seria adiar a adoção de todo o pacote de sanções enquanto se encontra uma solução para o fornecimento de petróleo à Hungria, segundo as mesmas fontes.

Os chefes de estado se reunirão na segunda (30) e terça-feira (31) em Bruxelas.

Fonte: Yahoo!