Trudeau denuncia vandalismo de igrejas e estátuas de monarcas no Canadá

O primeiro-ministro do Canadá, Justin Trudeau, denunciou nesta sexta-feira (2) uma onda de vandalismo que resultou no incêndio de igrejas e danos a monumentos.

Os atos de depredação seguem os recentes descobrimentos de mais de 1.000 túmulos sem nome em antigos internatos indígenas que provocaram a ira e dor em comunidades indígenas e não nativas, assim como o reconhecimento da história colonial sombria do Canadá.

“É inaceitável e errado que vejamos atos de vandalismo e incêndios provocados em todo o país, inclusive contra igrejas católicas”, criticou Trudeau em coletiva de imprensa.

“Entendo a raiva que existe (sobre as descobertas) contra o governo federal, contra instituições como a Igreja Católica”, continuou.

Para o primeiro-ministro, os atos são “totalmente compreensíveis dada a vergonhosa história” das escolas residências indígenas do Canadá, mas considerou que os canadenses devem comprometer-se com a reconciliação e não cair na tentação do vandalismo.

O dia nacional do Canadá, comemorada na quinta-feira, foi marcado por um ajuste de contas sombrio em relação ao passado do país como colônia britânica. Diversas cidades cancelaram qualquer celebração.

Dez igrejas de Calgary foram vandalizadas, enquanto em Winnipieg os manifestantes derrubaram uma estátua da rainha Victoria e outra da rainha Elizabeth II.

No Reino Unido, o governo condenou em comunicado a derrubada das estátuas das monarcas.

“Nossos pensamentos estão com a comunidade indígena do Canadá depois destes trágicos descobrimentos (de túmulos), acompanhamos estes temas de perto e continuamos comprometidos com o governo do Canadá em assuntos indígenas”, declarou a nota britânica.

Até a década de 1990, cerca de 150.000 jovens indígenas inuítes e metis canadenses foram matriculados à força em 139 internatos administrados pela Igreja Católica em nome do governo.

Fonte: Yahoo!

Scroll Up