Tiro de fuzil atinge celular e policial se salva durante tentativa de mega-assalto, em Guarapuava

Um dos três policiais militares que estava em uma viatura alvejada durante a tentativa de assalto realizada em Guarapuava no último domingo (17) se salvou porque um dos tiros contra ele atingiram um celular, que estava no bolso do uniforme.

Imagens do aparelho atingido pelo disparo foram compartilhadas nas redes sociais por Anne Wendler, filha do cabo Wendler, único PM que estava na viatura e que não ficou ferido durante a ação dos criminosos.

Filha do policial compartilhou imagem do celular atingido nas redes sociais — Foto: Divulgação/Anne Wendler
Filha do policial compartilhou imagem do celular atingido nas redes sociais (Foto: Divulgação/Anne Wendler)

“Meu pai levou um tiro de fuzil no peito ontem. Se estivesse só com o colete… Mas o celular amorteceu o impacto, e graças a Deus ele está bem! Obrigada a todos pelas orações”, publicou a filha.

Anne também compartilhou uma foto do colete do pai. Na imagem, é possível ver a perfuração do tiro.

Colete do policial também foi atingido superficialmente — Foto: Divulgação/Anne Wendler
Colete do policial também foi atingido superficialmente (Foto: Divulgação/Anne Wendler)

Segundo a PM, a viatura em que o policial Wendler e outros dois PMs estavam foi fuzilada por criminosos por volta de 22h30, logo após eles saírem do 16º Batalhão da Polícia Militar (BPM) para início de uma ronda.

Ainda de acordo com a PM, Wendler foi o responsável por levar ao hospital o policial Ricieri Chagas, que estava na mesma viatura e foi atingido pelos criminosos com um disparo na cabeça.

Até a noite desta segunda-feira (18), Chagas estava na Unidade de Terapia Intensiva (UTI) do Hospital São Vicente de Paulo, em Guarapuava. Nas redes sociais, familiares e amigos pedem orações e doação de sangue para o agente de segurança.

Outro policial que estava na viatura era o cabo José Douglas Bonato, que falou da ação de Wendler e, também, do sentimento de terror enquanto a viatura era alvejada.

“Dai eu pensei que eles ‘iam matar nós’ de vez ali cara. Só que eu não vi nada. Dai eu me joguei da viatura. E a viatura bateu, acho. Rastejei no mato e consegui forçar o torniquete. Só que daí eu desci da barca e pisei, dai eu acho que quebrou de vez a perna. Daí o Wendler [terceiro policial] não conseguiu me resgatar, mas fez certo, tocou pro hospital com o Ricieri”.

Cabo contou que viatura foi alvejada logo após policiais saírem do batalhão — Foto: Divulgação/Kallyne Chagas
Cabo contou que viatura foi alvejada logo após policiais saírem do batalhão (Foto: Divulgação/Kallyne Chagas)

Um civil, que também se feriu durante a ação criminosa, recebeu atendimento médico e está bem, segundo informações da prefeitura.

A tentativa de assalto

A tentativa de assalto a uma transportadora de valores de Guarapuava, na região central, e o ataque ao 16ª Batalhão da Polícia Militar (BPM) do município, ocorreram de maneira simultânea na noite do último domingo (17). A informação foi confirmada pelo secretário de Estado Segurança Pública do Paraná, coronel Romulo Marinho Soares.

Três pessoas foram feitas reféns na ação criminosa e quatro pessoas foram alvejadas, incluindo três policiais e um civil, que passa bem.

Segundo o secretário, o intervalo de tempo entre a chegada dos assaltantes na cidade até a fuga, foi de cerca de cinco horas.

A polícia acredita que há criminosos feridos e orientou a população a repassar qualquer informação pelos canais de denúncia como os telefones 181 e 190.

Buscas por suspeitos

Veículo foi incendiado em frente à unidade da PM, em Guarapuava — Foto: Eduardo Andrade/RPC
Veículo foi incendiado em frente à unidade da PM, em Guarapuava (Foto: Eduardo Andrade/RPC)

O secretário de Estado de Segurança Pública disse que três helicópteros auxiliam na buscas pelos criminosos nesta segunda-feira (18). O cerco deve ser mantido pelos próximos quatro dias.

O comandante-geral da PM, coronel Hudson, afirmou que foram apreendidos oito veículos, sendo cinco blindados, sete fuzis, dois ponto 50, e capacetes balísticos.

LIGAÇÃO COM OUTROS CRIMES

A polícia investiga uma possível ligação do grupo que atuou na cidade em crimes similares em Criciúma (SC) e Araçatuba (SP).

“Vários carros com placas de São Paulo. Estamos investigando se há conexão, e o secretário de São Paulo se colocou à disposição para ajudar”, complementou o secretário Romulo Marinho Soares.

Cerca de 200 agentes da Polícia Militar foram encaminhados para Guarapuava para auxiliar na busca dos suspeitos. Inclusive, batalhões de outras regiões do estado atuam para auxiliar o trabalho. Conforme as forças de segurança, neste momento, a população pode ficar tranquila.

Noite de terror

Os relatos de moradores de Guarapuava são de uma noite e uma madrugada de terror, com barulho de tiros por toda a cidade.

Um vídeo mostra o momento em que moradores feitos reféns fazem um cordão humano durante a ação dos assaltantes. Nas imagens é possível ver pelo menos três homens de mãos dadas em uma rua que fica na região da empresa de transporte de valores, no bairro dos Estados.

Veja o vídeo.

Na fuga, os criminosos fecharam os acessos da cidade. Após a ação, durante a madrugada, os moradores de Guarapuava foram orientados a não deixarem as casas, devido ao risco à segurança.

Os policiais feridos foram os cabos José Douglas Bonato e Ricieri Chagas. A polícia informou que Bonato teve fratura na perna, foi operado e não corre risco de morrer.

O cabo Ricieri foi internado e intubado em uma Unidade de Terapia Intensiva (UTI) e apresenta quadro estável. Nas redes sociais, familiares e amigos pedem orações e doação de sangue para o agente de segurança.

16º Batalhão de Guarapuava alvejado em ataque — Foto: Reprodução
16º Batalhão de Guarapuava alvejado em ataque (Foto: Reprodução)

Fonte: G1