Suíça aprova passaporte sanitário da covid

Insatisfeitos com o sonoro ‘sim’ suíço à lei da covid que estabeleceu o passaporte sanitário, apenas algumas dezenas de manifestantes se reuniram neste domingo (28) em frente à sede do governo e do Parlamento, sob estreita vigilância das forças de segurança.

De acordo com os primeiros resultados oficiais, o “Sim” ultrapassaria 61%, enquanto a participação, em torno de 65%, é a quarta maior desde que o voto feminino foi introduzido em 1971, num país onde a média é de 46% neste tipo de consulta.

O referendo foi realizado no momento em que a nova variante do omicron, classificada como “preocupante” pela Organização Mundial da Saúde, mais uma vez colocou o planeta em alerta.

Como um sinal das tensões incomuns na Suíça, a polícia bloqueou a praça em frente à sede do governo e do Parlamento em Berna no domingo, se antecipando às manifestações.

Precisamente, os opositores das medidas anti-covid convocaram uma manifestação na capital Berna, mas apenas algumas dezenas se reuniram em frente ao Palácio Federal, a sede do governo e do Parlamento, cercada com uma tela de arame, para evitar possíveis invasões .

De acordo com um dos mais renomados cientistas políticos suíços, Claude Longchamp, é a primeira vez que o Palácio Federal é isolado durante uma votação federal de domingo.

“O Conselho Federal deve se perguntar se não é responsável por quaisquer excessos, porque ao empurrar as pessoas para um limite com medidas coercitivas (…) talvez esteja pressionando as pessoas a terem reações fortes”, disse Michelle Cailler à AFP, porta-voz do grupo Amigos da Constituição, um dos idealizadores do referendo.

As pesquisas já previam que a população aceitaria a lei, mas opositores das vacinas e da aprovação da saúde organizaram manifestações nas últimas semanas, algumas proibidas e recheadas de violência.

O aumento das tensões na Suíça, país conhecido pela sua cultura de diálogo e onde se realizam referendos várias vezes ao ano, causou grande surpresa.

Muitos políticos, incluindo o ministro da Saúde, Alain Berset – que por dois anos liderou a luta contra o coronavírus no país alpino – receberam ameaças de morte e agora estão sob proteção policial.

Apenas 65% vacinados

Neste domingo, os suíços também aprovaram com mais de 60% e na grande maioria dos cantões (que têm competência nesta matéria), uma iniciativa popular relacionada com os cuidados de enfermagem, solicitando à Confederação que garanta uma “remuneração adequada” para quem desempenha serviços de assistência.

Esses votos ocorreram no momento em que a Suíça, como outros países, vive um surto de infecções de covid-19 desde meados de outubro devido à variante delta.

Mas, ao contrário de outros países na mesma situação, o governo suíço até agora se recusou a endurecer as medidas de controle em nível nacional, argumentando que a ocupação de leitos de terapia intensiva por pacientes com coronavírus é relativamente baixa até o momento (20%).

No entanto, o governo insistiu à população e aos turistas que respeitem as medidas sanitárias básicas.

Com uma taxa total de vacinação de cerca de 65%, a Suíça fica para trás na cobertura vacinal em comparação com outros países da Europa Ocidental.

É a segunda vez em menos de seis meses que a população tem que votar essa mesma lei. Em junho, os cidadãos apoiaram com 60% dos votos em um primeiro referendo.

No entanto, quando a lei foi modificada para dar às autoridades mais espaço para combater a pandemia e permitir o estabelecimento do passaporte sanitário, as pessoas contra essa implementação decidiram convocar um segundo referendo.

Os negacionistas rejeitam esse “endurecimento extremo e desnecessário da lei” e denunciam o passaporte sanitário, “que implicitamente induz uma vacinação forçada”.

Todos os movimentos políticos, com exceção do UDC populista de direita, o principal partido do país, apoiaram a lei.

O governo argumenta que o passaporte facilita viagens e estadias no exterior, permite a realização de manifestações e está “ao alcance de todos”, pois quem não vacinou e não teve o vírus pode fazer o teste de PCR para obtê-lo.

Fonte: Yahoo!