Sobrevivente, locadora do interior de SP oferece filmes vencedores do Oscar ‘esquecidos’ pelos streamings

Uma locadora de DVDs (sim, ainda existem algumas no ramo!) do interior de SP anunciou na semana do Oscar, a maior premiação do cinema mundial, que possui em seu acervo uma extensa lista de títulos que ganharam a estatueta dourada, mas que estariam esquecidos pelos principais streamings, serviços que transmitem filmes pela internet.

Mais que uma “promoção” para aproveitar a efervescência do tema em função da premiação de Hollywood, que acontece na noite deste domingo (27), a locadora jauense realiza um novo movimento de criatividade para seguir sobrevivendo em um ramo que, atropelado pelos avanços tecnológicos, praticamente foi extinto.

Apaixonado pela Sétima Arte, o empresário Fernando Lazzari, de 48 anos, precisou mesmo recorrer à criatividade para seguir oferecendo a locação de filmes em mídia física em um tempo em que qualquer pessoa, adulto ou criança, assiste a seus títulos preferidos com um toque no celular.

Por isso, ele transformou sua locadora, que nasceu há 24 anos, em um espaço cultural que agrega outros “negócios”, como um café e uma loja que comercializa produtos como camisetas e bonés, porém, sempre tendo o cinema como pano de fundo.

“Com a queda nesse ramo, precisei inovar para não fechar a locadora, que é uma paixão pessoal. Tenho a convicção de que sou um resistente, que viu seu negócio começar a sucumbir primeiro pela pirataria, depois pelo hábito de se baixar filmes pela internet de forma quase desleal, e depois pela tecnologia, com a chegada dos streamings, que foi a pá de cal nas locadoras”, explica Lazzari.

Empreendimento, que começou em 1998 apenas como locadora de filmes, hoje agrega um café e uma loja de souvenirs: criatividade para sobreviver   — Foto: Arquivo pessoal
Empreendimento, que começou em 1998 apenas como locadora de filmes, hoje agrega um café e uma loja de souvenirs: criatividade para sobreviver — Foto: Arquivo pessoal

Com um acervo de dez mil filmes em suas prateleiras, agora espalhados em meio às mesas do café e às bancas da loja de souvenirs para cinéfilos, o empresário resolveu pesquisar em um site que reúne opções de streamings os filmes premiados que tinha à disposição na sua loja. E descobriu que pode oferecer o que a tecnologia “esqueceu” de incluir em seus catálogos (veja abaixo a lista de 45 filmes premiados disponíveis para locação em Jaú).

“Nessa pesquisa, vi que muita coisa boa e essencial não está em lugar nenhum. Foi quando fiz essa listinha para os clientes mais próximos e resolvi soltar nas redes sociais da loja. Muita gente ainda procura filmes e gosta de assistir na mídia física”, diz o empresário, que ainda aluga cerca de 400 filmes por mês, número que, no auge do negócio, saía em um único sábado.

Dentre os títulos selecionados na lista de Lazzari, estão vencedores do Oscar de melhor filme, direção, ator e atriz de várias décadas da história da premiação, como “A Malvada” e “A Um Passo da Eternidade” (anos 50), “Amor Sublime Amor”, “My Fair Lady” e “Lawrence da Arábia” (anos 60), “Apocalipse Now” e “Um Estranho no Ninho” (anos 70), “Amadeus” (1984), “Dança com Lobos”, “Os Suspeitos” e “O Paciente Inglês” (anos 90) e “Crash” (2006).

“Acredito que ainda tenho um compromisso com meu público, meus clientes e amigos. Não quero que filmes clássicos, imperdíveis, de diretores consagrados, vencedores do Oscar e que mudaram a história do cinema, sejam esquecidos pelos cinéfilos. Acho inacreditável que, com o fim das locadoras, uma pessoa não consiga mais assistir a ‘Lawrence da Arábia’, por exemplo”, diz Lazzari, que também é vocalista e guitarrista de uma banda que toca, claro, trilhas de filmes.

Lazzari com o DVD de 'Lawrence de Arábia', filme de 1962 e que está na lista dos premiados — Foto: Arquivo pessoal
Lazzari com o DVD de ‘Lawrence de Arábia’, filme de 1962 e que está na lista dos premiados — Foto: Arquivo pessoal

Para a cerimônia da noite deste domingo, Lazzari faz coro com vários críticos e aponta “Ataque dos Cães” como o principal favorito à estatueta de melhor filme.

E, em um exercício de sonhar com os tempos áureos das locadoras, até elege o título entre os candidatos a melhor filme de 2022 que gostaria de receber em primeira mão na sua loja.

“Gostaria muito de ter na loja ‘Licorice Pizza’, pois adoro os filmes do Paul Thomas Anderson, diretor de ‘Magnólia’ (1999), um dos títulos que tenho aqui e não me canso de rever”, revela.

Filmes premiados da locadora jauense ‘esquecidos’ pelos streamings

  • “Crash – No limite” (2004) de Paul Haggis
  • “O Paciente Inglês” (1996) de Anthony Minghella
  • “Dança com Lobos” (1990) de Mel Gibson
  • “Amadeus” (1984) de Milos Forman
  • “Um Estranho no Ninho” (1975) de Milos Forman
  • “Minha Bela Dama” (1964) de George Cukor
  • “As Aventuras de Tom Jones” (1963) de Tony Richardson
  • “Lawrence da Arábia” (1962) de David Lean
  • “A um Passo da Eternidade” (1953) de Fred Zinnemann
  • “A Malvada” (1950) de Joseph L. Mankiewickz
  • “Como Era Verde o Meu Vale” (1941) de John Ford
  • “Adivinhe Quem Vem Para o Jantar” (1967) de Stanley Kramer
  • “Meu Pé Esquerdo” (1989) de Jim Sheridan
  • “O Jardim dos Finzi Contini” (1970) de Vittorio de Sica
  • “O Pianista” (2002) de Roman Polanski
  • “Apocalipse Now” (1979) de Francis Ford Coppola
  • “O Sol é Para Todos” (1962) de Robert Mulligan
  • “A Separação” (2011) de Asghar Farhadi
  • “Por Quem os Sinos Dobram” (1943) de Sam Wood
  • “Muito Além do Jardim” (1979) de Hal Ashby
  • “A Dama de Ferro” (2011) de Phyllida Lloyd
  • “A Invenção de Hugo Cabret” (2011) de Martin Scorsese
  • “As Aventuras de Pi” (2012) de Ang Lee
  • “A Duquesa” (2008) de Saul Dibb
  • “A Partida” (2008) de Yôjirô Takita
  • “Sangue Negro” (2007) de Paul Thomas Anderson
  • “Tess, Uma Lição de Vida” (1979) de Roman Polanski
  • “A Força do Destino” (1982) de Taylor Hackford
  • “A Missão” (1986) de Roland Joffé
  • “O Expresso da Meia-noite” (1978) de Alan Parker
  • “Os Suspeitos” (1995) de Bryan Singer
  • “Diários de Motocicleta” (2004) Walter Salles
  • “Despedida em Las Vegas” (1995) de Mike Figgis
  • “A Marcha dos Pinguins” (2005) de Luc Jacquet
  • “Ray” (2004) de Taylor Hackford
  • “Lugar Nenhum na África” (2001) de Caroline Link
  • “As Horas” (2002) de Stephen Daldry
  • “O Segredo do Abismo” (1989) de James Cameron
  • “Bird” (1988) de Clint Eastwood
  • “A Escolha de Sofia” (1982) de Alan J. Pakula
  • “Morte Sobre o Nilo” (1978) de John Guillermin
  • “Contatos Imediatos do Terceiro Grau” (1977) de Steven Spielberg
  • “A Profecia” (1976) de Richard Donner
  • “O Grande Gatsby” (1974) de Jack Clayton
  • “Quem Tem Medo de Virginia Woolf?” (1966) de Mike Nichols

G1