Seca histórica no Pantanal provoca maior vazante em 121 anos

A seca histórica que atinge o Pantanal deverá provocar um período de vazante recorde na região. A vazante é um fenômeno típico de períodos de seca, quando o nível das águas baixa, expondo mais áreas de campos e morros. Nesse período, o céu fica mais estrelado e os animais que haviam se dispersado com a cheia, ocorrida entre outubro e março, voltam às planícies.

Este ano a vazante iniciou antecipadamente no Pantanal e a tendência é de declínio do nível da água apenas no final de outubro, quando historicamente o processo de vazante já terminou. Por isso, a previsão do Serviço Geológico do Brasil (CRPM) é que essa seja a vazante mais longa em 121 anos.

Além disso, a seca em 2021 tem apresentado menores níveis no Rio Paraguai, que podem chegar ao nível mínimo histórico. “Neste momento, essa é a quinta pior seca da história da região. Pela tendência atual, é possível que o rio alcance níveis históricos como aqueles de 1964, quando o rio atingiu a cota de -61 cm”, disse o hidrólogo e pesquisador em Geociências do CRPM, Marcus Suassuna Santos.

O pesquisador meteorologista do Centro Nacional de Monitoramento e Alertas de Desastres Naturais (CEMADEN), Giovanni Dolif destacou a situação meteorológica na região do Pantanal, em comparação com o ano passado. Este mês registrou o menor déficit de chuva do que no mesmo período de 2020, de acordo com o Índice Integrado de Seca (IIS). Ele alertou, ainda, para uma expectativa de chuvas acima do esperado na região, com transição para estação chuvosa dentro da normalidade.

A meteorologista do Instituto Nacional de Pesquisas Espaciais (INPE),  Caroline Vidal, afirmou que as chuvas estão abaixo da média e que o período é um dos mais secos desde 2010. “Onde há chuvas abaixo da média, há temperaturas acima do padrão. A tendência é que as chuvas concentradas no Norte do país migrem para o Centro-Oeste e Sudeste”.

Fonte: Agência Brasil – Foto: Mayke Toscano/Secom-MT

Scroll Up