15 de junho, 2024

Últimas:

Rússia usa mísseis hipersônicos em maior ataque no segundo ano da guerra; oito morrem

Anúncios

Com alguns dos mísseis mais poderosos que tem, a Rússia atacou nesta quinta-feira (9) as principais cidades da Ucrânia. Foi a maior ofensiva desde que a guerra completou um ano, em 24 de fevereiro.

Oito pessoas morreram nos ataques, segundo autoridades locais.

Anúncios

O governo russo disse ter utilizado seis mísseis hipersônicos kinzhal, uma das armas mais valiosas de Moscou. Kiev afirmou que detectou o armamento em seu território.

Acredita-se que a Rússia tenha apenas algumas dezenas de kinzhals, que voam muito mais rápido que a velocidade do som e são construídos para transportar ogivas nucleares com alcance de mais de 2.000 quilômetros. Em seus discursos, o presidente russo, Vladimir Putin, costuma afirmar que os países do Ocidente não têm armamentos que possam conter o kinzhal.

Anúncios

Os mísseis atingiram desde cidades no leste, na fronteira com a Rússia, até do oeste, perto da divisa com a Polônia.

Como Moscou vem fazendo nos últimos meses, os alvos dos mísseis foram instalações de infraestrutura, especialmente usinas de energia e estações de distribuição de água. A tática é deixar cidades importantes sem energia para desestabilizar a economia ucraniana.

Mas, segundo autoridades locais, oito pessoas morreram por conta dos bombardeios – quatro em Kharkiv, no leste, e três em Lviv, a cidade próxima à fronteira com a Polônia.

Houve explosões também em Kiev, segundo o prefeito da capital, Vitali Klitschko. Quase metade da população ficou sem energia pela amanhã, mas o abastecimento foi regularizado, segundo o governo local.

Polícia retira corpo após ataque russo a Velyka Vilshanytsia, local a 50 km de Lviv, na Ucrânia (Foto: Reprodução)
Bombeiros trabalham em local atingido por míssil da Rússia em Kiev, na Ucrânia (Foto: Reprodução)

O governador de Kharkiv, segunda maior cidade da Ucrânia, relatou mais de 15 ataques. Já o governador de Odesa informou ter havido danos graves em instalações de energia e também em edifícios residenciais.

Explosões também foram relatadas ainda nas cidades de Dnieper, Lutsk e Rivne.

Zaporizhzhia

Os ataques também atingiram Zaporizhzhia, onde fica a maior usina nuclear da Europa, atualmente controlada por tropas russas.

A Ucrânia disse que os ataques interromperam o fornecimento de energia da usina, que teve de usar energia a diesel de emergência para evitar um colapso. Posteriormente, a usina voltou a funcionar normalmente.

A central de Zaporizhzhia, que a Rússia controla desde o início da guerra, está perto da linha de frente, e ambos os lados já alertaram sobre um potencial desastre.

O chefe da vigilância nuclear da ONU, Rafael Grossi, já pediu por uma zona de proteção ao redor da usina.

Fumaça após um ataque de míssil russo em Kiev. (Foto: Reprodução)

Um ano de guerra

A guerra da Ucrânia completou um ano no fim de fevereiro, com a perspectiva de seguir se arrastando ao longo de 2023 e ameaças de Moscou de uma retomada de territórios. O governo russo também tem dado indícios de uma possível parceria com a China.

Kiev, por outro lado, tem se apoiado no envio de armas e equipamentos militares por países do Ocidente, com os tanques alemães Leopard 2, para conseguir expulsar as tropas russas, que controlam atualmente cerca de 20% do território ucraniano, no leste do país.

Fonte: Yahoo!

Talvez te interesse

Últimas

Anúncios Na manhã desta sexta-feira, 14, a Polícia Civil realizou uma operação policial no Condomínio Cachoeirinha 2, em uma ação...

Categorias