‘Rússia pagará preço alto se atacar a Ucrânia’, diz chanceler da Alemanha

O chanceler alemão Olaf Scholz disse nesta segunda-feira (7), em entrevista coletiva, que a Rússia “pagará um preço alto” se atacar a Ucrânia durante sua visita à Casa Branca, nos Estados Unidos.

“Estamos nos preparando para, se houver uma invasão, agir rápida e decisivamente, além claro, de uniformemente”, completou o chanceler alemão.

O líder do governo alemão está nos EUA para um encontro com o presidente americano Joe Biden para falar sobre a crise na Ucrânia nesta que é sua primeira visita oficial ao país.

Chanceler alemão Olaf Scholz durante encontro na Casa Branca com Joe Biden, nesta segunda-feira (7). — Foto: REUTERS/Leah Millis
Chanceler alemão Olaf Scholz durante encontro na Casa Branca com Joe Biden, nesta segunda-feira (7). (Foto: Divulgação)

Em Kiev, a ministra de relações exteriores da Alemanha, Annalena Baerbock, concedeu entrevista coletiva nesta segunda-feira (7) ao lado de Dmytro Kuleba, autoridade de mesmo cargo na Ucrânia.

Em uma de suas falas, Baerbock declarou que a Alemanha irá conceder apoio inequívoco aos ucranianos.

“Estamos com a Ucrânia”, disse Baerbock. “Ninguém conseguirá criar uma barreira entre nós”, disse ela, acrescentando: “Caro Dmytro, você sabe que pode contar com a Alemanha”.

Posicionamento político da Alemanha

A Alemanha está sendo bastante criticada por não ter tomado uma posição certeira em relação às tensões na fronteira da Ucrânia. Alguns especialistas apontam que essa contenção alemã pode ser um entrave nas soluções do caso.

A Alemanha é o maior comprador mundial do gás russo: recebe do país mais da metade de suas importações, em comparação à média de 40% dos demais países da União Europeia. Isso explica, por exemplo, a oposição de Berlin ao envio de armas da Estônia para a Ucrânia.

A ligação entre os dois países foi fortalecida pela criação do gasoduto Nord Stream 2. A construção deve aumentar o fluxo de gás natural que chega até a Alemanha partindo da Rússia, porém, o conselho da Otan acredita que a não continuidade do projeto pode se tornar uma sanção caso Putin decida invadir a Ucrânia.

Ameaças ao Nord Stream 2

Em entrevista conjunta com o Chanceler alemão, Joe Biden confirmou que as obras para construção do gasoduto Nord Stream 2 poderão ser encerradas caso a Rússia invada a Ucrânia.

“Se a Rússia invadir – isso significa tanques ou tropas cruzando a fronteira para a Ucrânia novamente – não haverá mais Nord Stream 2”, disse o presidente americano.

“Eu prometo a vocês”, disse Biden, “que vamos acabar com isso”.

A confirmação indica que a Alemanha está disposta a deixar de lado uma de suas maiores fontes de abastecimento de gás natural para que haja uma decisão definitiva quanto às sanções aplicadas à nação de Vladimir Putin.

Entenda a escalada de tensão

O governo russo nega ter planos de atacar a Ucrânia, mas concentra mais de 100 mil soldados perto da fronteira com o país. E a escalada da crise expõe, mais uma vez, as divergências históricas entre EUA e Rússia.

A Rússia alega que o leste europeu é sua área de influência e exige que os EUA e a Otan (Organização do Tratado do Atlântico Norte) parem de avançar sobre a região (desde o fim da União Soviética, vários países passaram a fazer parte da aliança militar e ou da União Europeia).

Os russos exigem que os EUA e a Otan garantam que a Ucrânia nunca fará parte da aliança militar, mas os países do Ocidente se negam a aceitar essa imposição, que consideram inaceitável. Os russos também querem que tropas ocidentais sejam retirados de países próximos à sua fronteira.

Fonte: Yahoo!