Rússia diz que concentrará ofensiva no leste da Ucrânia e anuncia 1.351 baixas

A Rússia afirmou nesta sexta-feira (25) que concentrará seus esforços no leste da Ucrânia e reconheceu que 1.351 soldados de suas fileiras morreram desde o início da ofensiva.

“Os principais objetivos da primeira fase da operação foram alcançados. As capacidades de combate das forças ucranianas foram significativamente reduzidas”, disse o comandante adjunto do Estado-Maior das Forças Armadas russas, Sergei Rudskoy, em uma entrevista coletiva.

Os militares indicaram que isso permite “concentrar os principais esforços” para alcançar o objetivo principal, que é a libertação de Donbas, uma região no leste da Ucrânia.

Os principais avanços da Rússia se concentraram no leste e no sul da Ucrânia, sem conquistar nenhuma grande cidade.

Uma parte da zona ucraniana de Donbas é controlada desde 2014 por separatistas pró-Rússia.

25/02 - O corpo de um soldado é visto coberto de neve ao lado de um veículo lançador de foguetes militares russos destruídos nos arredores de Kharkiv, na Ucrânia, nesta sexta-feira (25) — Foto: Vadim Ghirda/AP
Corpo de um soldado é visto coberto de neve ao lado de um veículo lançador de foguetes militares russos destruídos nos arredores de Kharkiv, na Ucrânia (Foto: Reprodução)

Pouco antes de lançar a ofensiva que começou em 24 de fevereiro, a Rússia reconheceu a independência desses grupos e lançou a intervenção militar, argumentando a intenção de protegê-los de um “genocídio” orquestrado pelo governo ucraniano.

Quase 1.400 militares russos mortos

A Rússia reconheceu que 1.351 soldados em suas fileiras morreram desde o início de sua ofensiva militar na Ucrânia há um mês.

“Durante a operação militar especial, 1.351 militares morreram e 3.825 ficaram feridos”, declarou Rudskoy.

O último balanço oficial de Moscou, publicado em 2 de março, contabilizava 498 soldados russos mortos na Ucrânia, mas Kiev afirmou que a Rússia sofreu perdas muito maiores.

Rudskoy descreveu como um “grave erro” a entrega de armas à Ucrânia por parte dos países ocidentais.

“Isso prolonga o conflito, aumenta o número de vítimas e não terá nenhuma influência no resultado da operação”, afirmou o militar.

Além disso, Rudskoy afirmou que a Rússia “responderá de acordo” se a Otan instaurar uma zona de exclusão aérea na Ucrânia, um pedido reiterado por Kiev há várias semanas.

Enquanto isso, o diretor do Centro Nacional de Gestão de Defesa da Rússia, Mikhail Mizintsev, informou que a Rússia recebeu 419.736 refugiados da Ucrânia desde o início da operação.

Fonte: Yahoo!