Rubén Magnano convoca 14 jogadores para a Rio 2016

O técnico Rubén Magnano convocou, nesta sexta-feira, 14 jogadores para compor a seleção brasileira masculina de basquete que se prepara para a Olimpíada do Rio de Janeiro. O argentino manteve a base da equipe que conquistou a quinta colocação nos Jogos de 2012 e a sexta no Mundial de 2014, com destaque para o quinteto da NBA formado por Anderson Varejão, Leandrinho, Raulzinho, Nenê e Marcelinho Huertas. O pivô Vitor Faverani é a novidade da lista. O time, que tem como desfalques já anunciados os pivôs Tiago Splitter e Cristiano Felício, ainda sofrerá dois cortes até a estreia no dia 7 de agosto, contra a Lituânia.

O treinador se mostrou contrariado com a ausência de Felício, que pediu dispensa por questões pessoais.

– Claro que fico chateado. São razões pessoais. Temos que entender. Não significa aceitar – comentou o treinador.

A lista de Magnano não teve grandes surpresas. O técnico manteve o grupo formado no ciclo passado, acrescentando poucos nomes à seleção. Dos 12 jogadores da Olimpíada de Londres, nove estão entre os chamados pelo argentino para os Jogos do Rio. Apenas Marcelinho Machado, Caio Torres e Tiago Splitter estão fora – o pivô do Atlanta Hawks passou por cirurgia no quadril. Além do quinteto da NBA, têm chances de disputar sua segunda Olimpíada Marquinhos, Alex Garcia, Guilherme Giovannoni e Larry Taylor. Rafael Hettsheimeir não esteve em Londres, mas já faz parte do grupo desde o último ciclo olímpico, disputou o Mundial da Espanha e deve competir no Rio.

A maior novidade no grupo é o pivô Vitor Faverani, que pela primeira vez vai defender a seleção principal do Brasil. Magnano já havia convocado o pivô para a Copa América de 2013, mas ele pediu dispensa na época, o que causou uma rusga entre técnico e jogador, que hoje defende o espanhol Murcia, mas já teve passagem pelo Boston Celtics, na NBA. O atrito já foi superado.

A única ausência que estava fora dos planos de Magnano é a de Cristiano Felício. O pivô do Chicago Bulls alegou motivos pessoais e pediu ao treinador para não ser convocado. A princípio, Rafael Luz e Guilherme Giovannoni são os cortes prováveis e só devem jogar a Olimpíada em caso de lesão de algum outro jogador.

O Brasil está no Grupo B da Olimpíada e enfrenta na primeira fase Argentina, Espanha, Lituânia, Nigéria e um adversário vindo do pré-olímpico mundial de julho.

OS CONVOCADOS

Marcelinho Huertas (Armador / Los Angeles Lakers)

Raulzinho (Armador / Utah Jazz) 

Marquinhos (Ala / Flamengo)

Leandrinho (Ala-armador / Golden State Warriors)

Alex Garcia (Ala-armador / Bauru)

Anderson Varejão (Ala-pivô / Golden State Warriors)

Nenê (Pivô / Washington Wizards)

Hettsheimeir (Pivô / Bauru)

Benite (Ala-Armador / Murcia)

Augusto Lima (Pivô / Real Madrid)

Larry Taylor (Ala-armador / Mogi das Cruzes)

Vitor Faverani (Ala-pivô / Murcia)

Rafa Luz (Armador / Flamengo)

Guilherme Giovannoni (Ala-pivô / Brasília)

A COLETIVA

Ausência de Felício

Magnano: Tenho que passar para vocês primeiro que falei com ele. Segundo, a informação que me passou a CBB. Quando estive com ele nos Estados Unidos, estava tudo certo. Ele estava jogando praticamente nada naquela época. Conversei que seria muito bom ele se incorporar ao grupo do Sul-Americano já de olho na preparação para a Olimpíada. Ele achou conveniente no momento. Depois, quando escrevi essa lista de convocados, a CBB me falou que ele não iria se apresentar porque tomou uma decisão de jogar a Liga de Verão. Respeito muito a decisão do atleta. Que fique bem claro, que a informação que tenho é da CBB. Claro que fico chateado. Já faz tempo que estamos tentando. É um jogador com potencial. Ainda que nossa seleção não tenha uma estrutura de base muito boa, investiu muito nele. E agora ele não vai. Mas são razões pessoais. Temos que entender. Não significa aceitar. São coisas totalmente diferentes. Infelizmente não vamos contar com ele. Vou fechar esse capítulo agora.

Presença de Faverani, depois de “bolo” de 2011

Não sei se todos conhecem a história (de ir a Valência para encontrar com o jogador e ele não aparecer em 2011). É curiosa, mas não é engraçada. Sempre tentei colocar o nome do nosso basquete sobre o nome Rubén Magnano ou de quem seja. A seleção do Brasil está acima de tudo. Sempre tive a vontade de que Faverani se apresentasse. No primeiro ano, aconteceu uma coisa curiosa e desagradável (o bolo), mas consegui digerir isso. A partir daí, o Vitor começou a ter problemas de lesão. Ele muitas vezes foi impedido por questões físicas, que atrapalhavam sua preparação e seu futuro. Hoje ele está jogando muito bem. Gostei muito dele no Murcia. Ele tem muita vontade de vir. Por isso coloquei o nome dele na convocação. Espero não ter nenhuma surpresa. Acho que está tudo certo.

Ausências de Lucas Bebê e Bruno Caboclo, da NBA

Estar na NBA não significa que tem que estar na seleção. A possibilidade sempre está aberta, mas não é porque está na NBA que tem capacidade de estar na seleção. Nestes casos, não é um problema de capacidade. Não sei se é um problema de vontade ou pessoal, mas o que sei é que se enquadra no mesmo negócio do Felício. Não estão nessa lista, porque vão jogar a Liga de Verão. É o que se fala e o que se faz. Eu falo que meu sonho é jogar na Olimpíada e depois vou jogar na Liga de Verão da NBA… Vejo uma incompatibilidade.

Programação de Leandrinho e Varejão, que estão na final da NBA

Magnano: Eles se apresentam também no dia 24 de junho. A ideia é essa, mas tenho a liberdade de avaliar a situação se chegarem ao sétimo jogo da final da NBA. Vamos fazer o melhor para que eles estejam bem.

Diego Jeleilate, preparado físico: Estamos os monitorando do mesmo jeito (dos outros jogadores). Ajustes dentro da preparação podem ser feitos para respeitar como o atleta se apresenta. Não sabemos o que pode acontecer com eles nos últimos jogos. Quanto maior o número de jogos, maior a exposição que o atleta tem.

De coadjuvantes nos clubes a protagonistas na seleção

Magnano: Não é simples trazer jogadores de banco que sejam protagonistas dentro da sua seleção. Mas são jogadores que em algum momento tiveram essa possibilidade na carreira. Eles precisam ter essa capacidade de virar a chavinha e colaborar de uma maneira que seu clube de origem não pede. Isso também tem a ver com a forma que vejo o jogo. Acredito no jogo coletivo, nas boas tomadas de decisões, e qualquer um deles podem tomar essas decisões. Precisamos dessa capacidade de virar a chave.

Olimpíada em casa

Eles vão ter o privilégio de jogar a Olimpíada em casa. É algo muito raro para o um jogador. É a mensagem mais importante que estou passando para os atletas. Entendo que isso vai alimentar a vontade deles de chegar ao dia 7. Nosso pessoal já está trabalhando na parte física e na parte técnica para chegar ao dia 7 na melhor forma.

Preparação em casa

Nossa primeira ideia foi não sair do Brasil. Tentar trazer a preparação para casa. Finalmente deu certo. Era muito difícil conseguir os dois últimos amistoso aqui no Brasil. Nunca gostei de ir para a Europa por exemplo. Não queria ir muito mais longe dos Estados Unidos. Vamos ficar em casa, o que é muito importante.

PROGRAMAÇÃO

24/06 – Apresentação em São Paulo

25/06 a 25/07 – Treinamentos em São Paulo

21/07 a 25/07 – Dois amistosos em São Paulo (adversários a definir)

26/07 a 03/08 – Treinamentos em Mogi das Cruzes

28/07 – Amistoso com a Austrália em Mogi das Cruzes

30/07 – 1ª rodada do Super Desafio – Brasil x China e Austrália x Lituânia

31/07 – 2ª rodada do Super Desafio – perdedor x perdedor e vencedor x vencedor

02/08 – Amistoso em Mogi das Cruzes (adversário a definir)

03/08 – Chegada ao Rio de Janeiro

Fonte: G1

Scroll Up