Robson pede para não ser chamado de Bambu e vê “desafio muito grande” no Corinthians

Robson Bambu quer ser apenas Robson no Corinthians e fazer história. O novo zagueiro foi apresentado à imprensa nesta sexta-feira e recebeu a camisa de número 3 das mãos do diretor de futebol do Timão, Roberto de Andrade.

O jogador de 24 anos está recuperado de um edema ósseo no tornozelo direito, lesão que o afastou dos gramados nos últimos meses de Nice, na França. Por isso, trata com gratidão a chance de recomeçar a carreira em um dos grandes clubes do Brasil, mesmo que signifique um passo atrás.

– O apelido de Bambu vem de muitos anos, desde 2008, foi dado por um ex-técnico meu. Não vejo problema, mas aqui no Corinthians prefiro que me chamem de Robson apenas.

– Para mim, individualmente, foi um ano difícil. Sou um cara que quer sempre estar em campo, mas aconteceu. Tive lesões que impediram de fazer o que mais amo. São coisas que acontecem na vida de um atleta. O mais importante é estar perto da nossa família que vai nos acolher. Eu me mantive firme. O mais importante é sempre querer dar a volta por cima. Voltar a atuar. Sempre tive o sonho de ter chance de jogar no futebol europeu. Não só meu, mas de tantos outros jovens. Dar esse passo atrás (de retornar ao Brasil), passa muitas coisas na cabeça. Cabeça tranquila. O mais importante é estar feliz. Encarar essa aventura – resumiu.

O jogador exaltou o fato do Corinthians estar de volta à disputa da Libertadores e tratou com felicidade a possibilidade de fazer história no clube. Um dos maiores desafios da carreira.

obson Bambu recebe a camisa 3 das mãos de Roberto de Andrade no Corinthians (Foto: Rodrigo Coca / Agência Corinthians)

– Com certeza. Vai ser um desafio muito grande, por estar voltando agora. Corinthians voltando a disputar grandes competições. Feliz de participar. Vai ser desafio. Vou procurar encarar da melhor maneira possível. Preparar a cabeça e ajudar os companheiros. Desafio para todos os jogadores – citou o zagueiro, que tem aprendido com Gil.

– Venho trabalhando muito forte. Gil vem me orientando, não só ele. Outros, também. Complicado voltar de de lesão. O mais importante é estar à disposição, me preparar, chance vai aparecer. Vida de jogador é assim. Me sentir bem e estar à disposição.

Fonte: G1